Nova aquisição nos EUA rende benefício tributário à JBS

As aquisições de cerca de US$ 3 bilhões anunciadas pela JBS desde o mês passado representarão um acréscimo de 0,44 vez no índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda em doze meses) da empresa. Com isso, esse índice subirá de 2,3 vezes vistos em março para 2,74 vezes, estimou ontem a companhia, em teleconferência com analistas para comentar a aquisição da operação de suínos da Cargill nos EUA, anunciada na quarta-feira.

A JBS vai pagar US$ 1,45 bilhão para assumir os ativos da Cargill. Esse negócio se soma à compra, anunciada no dia 21 de junho, da irlandesa Moy Park, da Marfrig. A JBS vai pagar US$ 1,5 bilhão pela empresa europeia.

Apesar do inesperado aumento da alavancagem, uma vez que o CEO da JBS, Wesley Batista, vinha enfatizando o foco no crescimento orgânico, a agência de classificação de risco Fitch avaliou que a aquisição do negócio de suínos da Cargill tem impacto neutro sobre o perfil de crédito da JBS. "Este patamar permanece dentro da faixa esperada pela Fitch para o rating ‘BB’, com o qual a empresa é classificada", avaliou a agência.

Durante a teleconferência, Batista defendeu que as aquisições não alteram a "direção" da empresa. "Continuamos focados em crescimento orgânico e na melhora nos nossos indicadores de alavancagem", disse. De acordo com ele, a JBS "namorava" os ativos da Cargill há muitos anos, mas o desenlace só foi possível porque a multinacional se mostrou "aberta" ao negócio. "Agora foi o momento porque a Cargill decidiu estar aberta a conversar e analisar".

Também na teleconferência, o CEO da JBS USA, André Nogueira, destacou que a aquisição dos ativos de suínos da Cargill nos EUA implica um benefício tributário de cerca de US$ 250 milhões. Por ser uma aquisição de ativos e não de uma empresa, explicou ele, a legislação americana permite que a JBS faça reavaliação da depreciação do negócio adquirido.

Com isso, a empresa terá uma economia com impostos nos próximos anos. "Quando faz essa depreciação extra para valor presente, dá US$ 250 milhões", disse ele, acrescentando que esse benefício torna a compra mais barata.

Considerando o benefício tributário de US$ 250 milhões e as sinergias de US$ 75 milhões que a JBS pretende gerar com os ativos de suínos da Cargill e, tomando como premissa que esses ativos tenham uma margem Ebitda de 8,3%, a aquisição saiu por um múltiplo (relação entre valor empresarial e Ebitda em doze meses) 4,17 vezes. Sem os benefícios e a sinergia, o múltiplo é de 6,82 vezes. A JBS espera concluir a aquisição no período de quatro a sete meses.

Fonte: Valor | Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *