NOTÍCIAS – ENTREVISTA – Kátia Abreu admite que não há dinheiro para o seguro rural

A ministra também disse que é contra a redução de agrotóxicos no campo e antecipou a inauguração de laboratório para análise de mormo no Recife

VÍDEOS RELACIONADOS
Mormo: Brasil terá laboratório de análise em 2016
Seguro rural: Kátia Abreu admite falta de verba
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Kátia Abreu promete “país livre de aftosa” com vacinação em 2016
Confirmada saída do secretário de Defesa Agropecuária, Décio Coutinho
A ministra Kátia Abreu concedeu uma entrevista coletiva nesta terça-feira, dia 24, durante o lançamento do Programa de Vigilância em Defesa Agropecuária na Faixa de Fronteira. Entre os assuntos tratados, ela admitiu os produtores terão mesmo que pagar a conta da subvenção do seguro rural que contrataram junto às seguradoras.

Além disso, também afirmou que é contra o plano do governo de redução de uso de agrotóxicos no campo e informou que, em janeiro, será inaugurado um laboratório de análise sobre o mormo com nível internacional

Seguro Rural

Kátia Abreu disse que não conseguiu uma nova suplementação de recursos para o seguro, conforme havia acenado anteriormente. A ministra disse que sua gestão foi prejudicada pelas contas pendentes de 2014 e que teve que “fazer uma ginástica” para acertar o passivo.

Segundo ela, o Ministério da Agricultura encaminhou em agosto um ofício para as seguradoras determinando que o limite para subvenção para novas apólices era mesmo de R$ 300 milhões.

“Nós não sabemos  o que o produtor vai fazer, nós só sabemos que subvencionamos R$ 300 milhões de seguro agrícola. Se o produtor quiser fazer seguro agrícola sem subvenção do governo é um direito que ele tem”, disse a ministra.

Ela afirma que, no ano que vem, com credibilidade junto às seguradoras, será retomado o orçamento antigo de R$ 700 milhões.

Agrotóxicos

A ministra disse que é contra o plano do governo de redução de uso de agrotóxico no campo, pois isso colocaria em xeque o agronegócio brasileiro. Para Kátia Abreu, o Brasil é líder nas exportações porque usa corretamente os defensivos.

“Esse projeto seria a sentença de morte da agricultura brasileira”, afirmou.
 
Sobre a burocracia para os registros de novos produtos para defesa fitossanitária, a ministra  disse que, por enquanto, mudou de ideia com relação a criar um novo órgão para resolver o assunto. Ela vai apoiar a nova gestão da Anvisa e lutar pela contratação de mais funcionários.

Se, no entanto, o órgão “resistir a se tornar eficiente”, buscaria uma nova alternativa para agilizar os processos de registros.

“No passado, tínhamos uma praga a cada cinco anos, hoje são três pragas novas a cada ano. Nós não podemos ter uma entidade que se dispõe ideologicamente a não registrar agroquímicos com burocracia. Eu vejo uma luz no fim do túnel e acho que a Anvisa está disposta a esta modernização”.

Mormo

Kátia Abreu afirmou que, em janeiro, será inaugurado um laboratório de análises para a doença no Recife, em cooperação com a Alemanha. Dessa forma, não serão mais preciso mandar amostras para o país europeu, que tem o reconhecimento da Organização Internacional de Epizootias (OIE).

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *