NOTÍCIAS – ENTREVISTA – Aposentadoria já estava decidida, diz Décio Coutinho

Secretário de Defesa Agropecuária afirma que plano de defesa fitossanitária está bem encaminhado

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Confirmada saída do secretário de Defesa Agropecuária, Décio Coutinho
O secretario de Defesa Agropecuária  do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Décio Coutinho, confirmou que vai se aposentar e que deve deixar o cargo na semana que vem. Nos próximos dias a Ministra vai anunciar o novo titular da secretaria.

Em entrevista ao Canal Rural, Coutinho comentou a entrega da segunda parte do Plano de Defesa Agropecuária, com a criação de uma força tarefa para lidar com eventos fitossanitários, o reforço da fiscalização nas fronteiras e do Canal Azul, que agilizará a exportação de carnes e vegetais.

Ele também comentou a intenção do Mapa de tornar o Brasil livre da febre aftosa, afirmando que a medida faz parte da parte do Plano de Defesa.

Canal Rural – Décio, já estava nos planos esta aposentadoria?

Décio Coutinho – Faz parte da minha programação, do meu planejamento pessoal. Conversei com a ministra, chegou o momento. Estarei na semana que vem voltando para meu estado, Mato Grosso, aposentando e voltando para minha vida pessoal.

Canal Rural – O anúncio da segunda etapa do Plano de Defesa Agropecuária é para encerrar sua participação na pasta. Como vão funcionar estes programas de defesa na fronteira?

Décio Coutinho – Nós continuamos a entregar aquilo que está projetado no Plano de Defesa Agropecuária, que foi lançado no mês de maio. Foram três pontos, três programas apresentados: a criação da Força Nacional de Defesa Agropecuária, um grupo de profissionais, fiscais federais agropecuários, fiscais estaduais agropecuários, engenheiros  agrônomos, médicos veterinários, que trabalharão com toda parte dos planos de contingência  e serão acionados no caso de eventos fitossanitários.

O outro ponto foi o plano de fronteira. Até 2020 vão ser R$ 125 milhões, começando com R$ 35 milhões em 2016. Deixou de ser um componente do programa sanitário e passou a ser um projeto dentro da Secretaria de Defesa Agropecuária como vocês viram. A importância de nós trabalharmos de forma integrada com os estados e com os dez países vizinhos com informações nas imagens de satélites, na utilização de tecnologia, para a prevenção de entrada de doenças e pragas dos vegetais e doenças dos animais.

E o Canal Azul, que é aquela ferramenta vai trazer uma agilidade no processo de exportação de cargas, iniciando pelas proteínas animais e já no segundo momento na parte vegetal.

Canal Rural – O Canal Azul vai reduzir em quanto tempo o processo de exportação até chegar nos portos?

Décio Coutinho – No mínimo 72 horas. As empresas  vão ganhar no seu processo de exportação.

Canal Rural – Outro desafio é tornar o Brasil 100% livre da febre aftosa. Será que no próximo ano isso vai ser possível?

Décio Coutinho – Isso está dentro do Plano de Erradicação da Febre Aftosa, aprovado pelo governo brasileiro. É a ultima etapa do Plano, no que diz respeito ao reconhecimento da área livre de febre aftosa com vacinação, e nós dependemos do resultado dos programas implantados em três estados: Roraima, Amazonas e Amapá. São vários pontos a serem observado. Primeiro chegar ao reconhecimento nacional, e depois o reconhecimento internacional. Faz parte do nosso Plano e está na etapa final.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *