NOTÍCIAS – Destaques do dia: o que foi notícia nesta sexta-feira (14/5)

De segunda a sexta-feira, Globo Rural traz um resumo das principais informações do agronegócio

Destaques do Dia (Foto: Estúdio de Criação)Boa noite! Confira os destaques desta sexta-feira (14/5) no site da Revista Globo Rural.

Bolsonaro elogia agro e critica lockdown

Na foto, o presidente e a ministra Tereza Cristina posam ao lado de casal de agricultores. Todos seguram um título de terra e sorriem. Jair Bolsonaro está sem máscara (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)

Na foto, o presidente e a ministra Tereza Cristina posam ao lado de casal de agricultores. Todos seguram um título de terra e sorriem. Jair Bolsonaro está sem máscara (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (14/5) que a situação do país estaria muito pior caso os trabalhadores do campo tivessem parado suas atividades em decorrência da pandemia. E voltou a criticar as medidas de isolamento social, dizendo que não há comprovação científica dos benefícios do lockdown .

A afirmação foi feita durante a cerimônia de entrega de 307 títulos de posse de terra a agricultores familiares da comunidade Santa Mônica em Terenos (MS). “Se vocês do campo tivessem ficado em casa, a exemplo do pessoal engravatado das cidades, as cidades teriam sucumbido”, disse o presidente, dirigindo-se aos agricultores que participaram do evento, ao destacar que é a produção dos agricultores familiares que alimenta o povo brasileiro.

JBS investirá R$ 1,8 bi no Paraná

 (Foto: Jonathan Campos/AEN)

Terreno preparado para as obras de ampliação do frigorífico da JBS em Rolândia (Foto: Jonathan Campos/AEN)

A JBS anunciou nesta sexta-feira (14/5) que investirá R$ 1,85 bilhões até 2025 para ampliar a capacidade de abate de aves em sua unidade de Rolândia, no norte do Paraná.

Segundo a empresa, as obras incluem a construção de uma nova fábrica de alimentos preparados e devem ser concluídas até o quarto trimestre de 2022. A unidade atenderá tanto a demanda do mercado interno quanto do mercado externo.

Carne da Marfrig nos EUA

Carne bovina (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

Carne bovina é carro-chefe de unidade da Marfrig em Alegrete, com capacidade para abater 730 cabeças por dia (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

A Marfrig Global Foods recebeu recomendação de autoridades para iniciar o processo de habilitação da planta de Alegrete, no Rio Grande do Sul, para exportação de carne bovina aos Estados Unidos, informou a empresa.

A oportunidade pode abrir as portas em outros mercados, disse em nota o diretor de exportação da companhia, Alisson Navarro, já que as exigências dos EUA são as mesmas de outros países que se interessam pela carne brasileira.

Cautela na venda de soja

Agricultor observa lavoura de soja em Barreiras (BA) (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Agricultor observa lavoura de soja em Barreiras (BA) (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

A comercialização da próxima safra de soja (2021/22) atingiu 15,2% até 7 de maio, estimou a consultoria Datagro, ao apontar um atraso em relação ao mesmo período do ciclo anterior, com produtores à espera de preços ainda maiores para acelerar as vendas.

Um ano antes, 28,2% da produção esperada já havia sido negociada. O patamar atual, no entanto, supera a média dos últimos cinco anos para esta época, de 11,6%. "Neste ano, o pessoal está na defensiva porque lembram do ano passado, quando venderam muita soja (antecipada) e o preço subiu muito depois", analisa o coordenador de grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Junior.

Mais soja para os EUA

Soja-Exportação (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

Na foto, estivadores preparam carregamento de soja para transporte marítimo no Porto de Santos. Brasil está a caminho de vender o maior volume de soja para os Estados Unidos desde 2014 (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

O Brasil está a caminho de vender o maior volume de soja para os Estados Unidos desde 2014, de acordo com dados da agência marítima Cargonave, num momento em que o país ajuda os americanos a resolver uma lacuna de oferta.

O aumento das vendas para os Estados Unidos mostra que a oferta restrita naquele país e os preços altos da oleaginosa estão forçando os compradores, entre eles esmagadores e produtores de carne, a buscar alternativas de fornecimento em outro país.

Falta de transparência

sustentabilidade-amazonia-concessao (Foto: Mario Oliveira/MTUR)

Na foto, vista aérea da floresta amazônica às margens de um rio (Foto: Mario Oliveira/MTUR)

Respostas a pedidos de informação feitos por Transparência Brasil, Agência Fiquem Sabendo e Abraji mostram que o governo federal não produz ou mantém dados estruturados sobre ações ilegais em terras indígenas — como pecuária, invasões e mineração — e identificou problemas de transparência ativa no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Parte de um projeto de popularização da Lei de Acesso à Informação (LAI), o Achados e Pedidos, o relatório com detalhes da apuração publicado na quinta-feira (13/5) levanta sete pontos de opacidade em órgãos socioambientais vinculados ao governo federal.

Críticas à mistura de biocombustíveis

agricultura_cana_combustivel (Foto: Thinkstock)

Entidades destacam que oferta de etanol anidro aumentará nas próximas semanas com avanço da moagem de cana (Foto: Thinkstock)

Nove entidades representativas dos setores de transporte e produção e distribuição tanto de combustíveis quanto de veículos emitiram conjunta se posicionando contra a "evolução" da mistura de biodiesel no diesel.

O documento foi divulgado após críticas feitas por produtores de óleos vegetais à redução do teor mínimo de biodiesel, de 13% para 10%, no leilão 80 de biodiesel, cujas entregas ocorrerão nos meses de julho e agosto.

Representantes de postos de gasolina também pediram para que a mistura de etanol na gasolina seja reduzida de 27% para 18%. Em resposta, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) e o Fórum Nacional Sucroenergético (FNS) afirmaram, em nota, que a oferta do biocombustível é suficiente para atender o consumo doméstico do Brasil.

Cana transgênica

Cana_de_açúcar (Foto: Getty Images)

Variedade foi criada para combater a broca na cana-de-açúcar, que provoca prejuízos estimados em R$ 5 bilhões por ano aos canaviais bbrasileiros (Foto: Getty Images)

Uma nova variedade de cana-de-açúcar geneticamente modificada, criada pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), foi aprovada para comercialização pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). A liberação foi publicada nesta sexta-feira (14/5) no Diário Oficial da União.

A CTC9005Bt é a 6ª variedade geneticamente modificada da empresa e foi desenvolvida para combater a broca da cana, a mais importante praga infestando os canaviais do país. Desde a aprovação de sua primeira variedade resistente à broca, em 2017, o CTC contribuiu com 12% das aprovações de plantas geneticamente modificadas no país.

REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : GLOBO RURAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *