NOTÍCIAS – Destaques do dia: o que foi notícia nesta quinta-feira (17/9)

De segunda a sexta-feira, Globo Rural traz um resumo das principais informações do agronegócio

+Destaques do Dia (Foto: Estúdio de Criação)

Boa noite! Confira os destaques desta quinta-feira (17/9) no site da Globo Rural.

produção leite (Foto: Getty Images) 

(Foto: Getty Images)

O preço do leite no campo registrou alta acumulada real de 42,5% desde o início deste ano na “Média Brasil” líquida do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP). Este avanço foi acentuado nos últimos três meses, quando os valores subiram 39,7% e a cotação do leite captado em julho e pago ao produtor em agosto atingiu o recorde de R$ 1,9246/litro.

A expectativa do Cepea é de que o preço do leite captado em agosto e pago em setembro possa subir em torno de 10%, estabelecendo um novo recorde. Maiores gastos com arroz

economia-supermercadi-arroz-feijao (Foto: Agência Brasil)

(Foto: Agência Brasil)

As famílias brasileiras em situação de insegurança alimentar grave, quando há efetivamente falta de alimentos entre adultos e crianças, tiveram um gasto mensal médio com a aquisição de arroz 32,6% superior às famílias com segurança alimentar entre 2017 e 2018. É o que mostra pesquisa feita pelo IBGE, que revela também o aumento de mais de 62% no número de famílias nessa condição entre 2013 e 2018.

Preços de frutas e hortaliças sobem

Hortaliças (Foto: CNA/Divulgação)

(Foto: CNA/Divulgação)

Os preços da frutas ficaram mais caros na maioria das regiões do Brasil. O valor das hortaliças também subiu, em especial o tomate e a cenoura, mas houve queda para cebola e batata. Os dados são do Boletim Prohort, divulgado nesta quinta-feira (17/9) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Segundo a Conab, o mamão chegou a dobrar de preço no Rio de Janeiro.

Remessa de sementes ilegais da China

Sementes ilegais da China (Foto: Gabriel Zapella/Arquivo Pessoal) 

(Foto: Gabriel Zapella/Arquivo Pessoal)

O governo brasileiro investiga uma remessa de sementes ilegais da China enviados para quatro Estados do país. Em duas semanas, houve notificações de recebimento do material em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul.

Fumaça de incêndios rumo ao Sul

Fogo no Pantanal (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

(Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

A fumaça proveniente dos focos de incêndio observados com intensidade desde o começo do mês na região do Pantanal, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, está se deslocando para o sul do país. Vento também pode levá-la até São Paulo entre quinta e sexta-feira, com possibilidade de chuva negra, segundo o Climatempo.

Reforma tributária no campo

colheita (Foto: Sergio Rannalli/Ed. Globo)

(Foto: Sergio Rannalli/Ed. Globo)

O presidente do Instituto CNA, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Roberto Brant, disse que propostas de reforma tributária em debate no Congresso isentam produtores com receita de até R$ 200 mil, que correspondem hoje a 80% dos cerca de 5 milhões de agricultores.

Acordos em ações contra glifosato

BAYER (Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

A Bayer finalizou uma parte dos acordos para encerrar milhares de ações envolvendo o herbicida Roundup, disseram nesta semana os escritórios de advocacia Baum, Hedlund, Aristei & Goldman, Moore Law Group e Andrus Wagstaff. Os três escritórios representam cerca de 20 mil dos 125 mil demandantes que alegam que o glifosato, ingrediente ativo do herbicida, causa câncer.

Vendas de CBios disparam

combustível_etanol_anidro (Foto: Reprodução/Unica) 

(Foto: Reprodução/Unica)

Nos primeiros 15 dias de setembro, o estoque de Créditos de Descarbonização (CBios) na bolsa aumentou 1,11 milhão e registrou recorde de negociação com os distribuidores de combustíveis. Nesse período, a parte obrigada adquiriu 321,16 mil créditos, volume superior à toda quantidade negociada nos últimos quatro meses.

Startup cria ”caixão vivo”

Caixão de micélio desenvolvido pela startup Loop: produto leva de um seis meses para ser absorvido na terra (Foto: Loop/Divulgação) 

(Foto: Loop/Divulgação)

Criado pela startup Loop, o caixão de micélio batizado de Living Cocoon leva de um a seis meses para ser absorvido pela terra, contribuindo ativamente para a decomposição total do corpo e enriquecendo a qualidade do solo – tudo em um período de dois a três anos. O primeiro funeral usando um “caixão vivo” de compostagem rápida feito de micélio ocorreu esta semana, na Holanda.

REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte :GLOBO RURAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *