NOTÍCIAS – Destaques do dia: o que foi notícia nesta quinta-feira (13/5)

De segunda a sexta-feira, Globo Rural traz um resumo das principais informações do agronegócio

Destaques do Dia (Foto: Estúdio de Criação)

Boa noite! Confira os destaques desta quinta-feira (13/5) no site da Revista Globo Rural.

Picanha de R$ 1.799,00

Presidente Jair Bolsonaro comendo churrasco em que picanha custava R$ 1,8 mil o quilo (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Presidente Jair Bolsonaro comendo churrasco em que picanha custava R$ 1,8 mil o quilo (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Uma picanha bovina que custa R$ 1.799 o quilo viralizou nesta semana após um post nas redes sociais indicar que ela esteve entre os cortes assados em um churrasco para o presidente Jair Bolsonaro. Mas, afinal, que carne é essa?

O marmoreio (gordura entremeada) da carne e publicações no perfil do frigorífico no Instagram apontam que o pedaço servido ao presidente é um corte de picanha wagyu, raça de origem japonesa considerada a mais saborosa e cara do mundo. Reportagem da Globo Rural conta de onde a carne vem e por que é tão cara.

Mais agilidade no CAR

Vista aérea de lavoura (Foto: Ministério da Agricultura/Divulgação)

Vista aérea de lavoura (Foto: Ministério da Agricultura/Divulgação)

Diante da demora na análise de cadastros do Sistema Nacional do Cadastro Ambiental Rural (Sicar), o Serviço Florestal Brasileiro (SFB) lançou nesta quinta-feira (13/5) uma plataforma que promete dar mais velocidade nas avaliações dos registros em âmbito federal.

De acordo com o site do Sicar, mais de 7 milhões de propriedades haviam sido cadastradas no sistema até 31 de dezembro de 2020. No entanto, somente 3% dos registros foram analisados até hoje, segundo João Adrien, diretor de regularização ambiental do SFB.

Produção trilionária

soja, colheita (Foto: Globo Rural)

Colheita de grãos trouxe alta de 16% no faturamento das lavouras, segundo o Ministério da Agricultura (Foto: Globo Rural)

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deste ano deve ser 12,1% superior em termos reais em relação ao de 2020, com base nos dados sobre os preços e produção relativos a abril. O total estimado pelo Ministério da Agricultura é de R$ 1,076 trilhão, enquanto em 2020 fechou em R$ 960,2 bilhões.

Segundo o estudo, as lavouras continuam liderando o indicador, com previsão de faturamento de R$ 741,2 bilhões (+16%), enquanto a pecuária soma R$ 335,1 bilhões (+4,4%).

Mudanças no licenciamento ambiental

arthur-lira-presidente-camara (Foto: Reprodução/TV Câmara)

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, conduziu a sessão do Lei Geral de Licenciamento Ambiental nesta quarta-feira (12/5). Em mais de cinco horas de duração, a votação ouviu prós e contras ao projeto de lei, que deve seguir para o Senado (Foto: Reprodução/TV Câmara)

O texto-base do projeto de lei para concessão de licenciamento ambiental, aprovado na noite de quarta-feira (12/5) na Câmara dos Deputados, acende um alerta ao risco de judicialização, quando conflitos são levados ao judiciário para uma resolução, a exemplo de múltipla interpretação no caso da emissão ou não do licenciamento.

De acordo com Letícia Marques, co-head da área de direito ambiental do KLA Advogados, a questão da judicialização é preocupante porque vários pontos do texto dão brecha a um questionamento pelo Ministério Público.

Frigoríficos aflitos pelo milho

criacao_aves_frango (Foto: Fabiano Accorsi/Ed. Globo)

Linha de produção de frigorífico de aves. Carne de frango é uma das mais impactada pelo encarecimento do milho, que é usado para ração animal (Foto: Fabiano Accorsi/Ed. Globo)

Motivado por um cenário de preços remuneradores, o produtor de milho do Brasil arriscou plantar boa parte da segunda safra 2020/21 fora do período ideal e ampliou o cultivo, mas agora se depara com uma seca que pode levar a indústria de carnes a reviver a aflição da última grande quebra ocorrida em 2016.

Naquele ano, as margens dos frigoríficos ficaram apertadas, algumas companhias tiveram resultados menores pelos preços altos dos insumos, os consumidores sofreram, e as importações do milho dispararam para um nível não visto em duas décadas, pelo menos.

Maior consumo nos supermercados

gôndula-supermercados-ovos-GPA (Foto: Divulgação/GPA)

No acumulado do primeiro trimestre de 2021, o ovo foi um dos produtos que mais subiu de preço no trimestre (+12,21%) (Foto: Divulgação/GPA)

O consumo nos supermercados brasileiros teve uma alta real de 7,06% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado – quando ainda não havia começado a pandemia no Brasil.

No mês de março, o Índice Nacional de Consumo ABRAS nos Lares Brasileiros (INC) apresentou alta de 11,11% em relação a fevereiro. Na comparação com março de 2020 o crescimento registrado foi de 4,31%. Os dados são do índice nacional de consumo da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), divulgado nesta quinta-feira (13/5).

Boom dos ovos

ovo-ovos-ave-galinha-frango (Foto: Globo Rural)

Na foto, ovos empilhados em embalagens. Receita com embarques cresceu mais de quatro vezes em abril (Foto: Globo Rural)

Considerando os produtos in natura e processados, as exportações brasileiras de ovos alcançaram 865 toneladas em abril. O valor é 307,9% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foram embarcadas 212 toneladas.

As vendas no quarto mês do ano geraram uma receita de US$ 1,1 milhão, resultado 321,8% maior que o obtido na mesma época de 2020, quando esse número era US$ 264 mil, informou a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Descontentamento no setor de biodiesel

Trabalhador com amostra de biodiesel em Iraquara (BA) (Foto: REUTERS/Jamil Bittar)

Na foto, produção de biodiesel no Brasil. Abiove vê decisão do governo como intervenção no mercado (Foto: REUTERS/Jamil Bittar)

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) lamentou a decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), orgão no Ministério de Minas e Energia, de baixar novamente a mistura mínima de biodiesel de 13% (B13) para 10% (B10) no Leilão 80 de biodiesel (L80), cujas entregas ocorrerão em julho e agosto de 2021.

A medida vai reduzir a participação dos produores de biodiesel no programa e aumentará a necessidade de importações de diesel para atendimento da demanda por diesel comercial, segundo a Abiove.

Da Bahia para a Suíça

cacau_chocolate (Foto: Thinkstock)

Cacau em pó e pedaços de chocolate. Qualidade do cacau exportado por cooperativa baiana foi garantida com análise laboratorial de cada lote (Foto: Thinkstock)

Duas pequenas cooperativas baianas e uma empresa recém-nascida também da Bahia deram um salto para o comércio exterior fazendo suas primeiras exportações diretas, com o apoio do projeto Agro.BR da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Uma delas é a Cooperativa de Produtores de Cacau Cabruca da Bahia (Coopercabruca), que reúne 34 produtores do sul do Estado, e mandou em março para a Suíça, país europeu que tem fama de produzir o melhor chocolate do mundo, 500 kg de liquor de cacau fino.

REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte :GLOBO RURAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *