NO RIO GRANDE DO SUL – Milho: sementes do programa Troca-Troca têm potencial de germinação de 97,7%

Coordenador da iniciativa do governo diz que análises provam que apesar de baratos, os insumos fornecidos aos agricultores são de ótima qualidade

Agricultores do Rio Grande do Sul que usam as sementes de milho do programa Troca-Troca podem ficar mais tranquilos quanto à qualidade dos insumos, de acordo com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural. Análises do Laboratório de Tecnologia de Sementes (LTS) indicam média de 97,7% de germinação, 99,9% de pureza e 1% de sementes infestadas.

“A pureza indica se na amostra foram encontradas sementes de outras espécies, terra ou pedaços de plantas como folhas ou caules. E a análise de sementes infestadas indica o percentual de sementes que foram atacadas por insetos ou alguma praga”, diz a pesquisadora e responsável técnica do LTS-DDPA Daiane Lattuada.

Análises do LTS avaliaram grau de pureza, germinação e infestação das sementes do Programa Troca-Troca

Foto: Fernando Dias/Seapdr

De acordo com a pesquisadora, “para a análise do material coletado neste programa foi utilizada a metodologia estabelecida nas Regras de Análise de Sementes (RAS, 2009), onde o teste de germinação indica o percentual máximo de germinação daquela amostra, em condições ótimas”.

  • O LTS é laboratório oficial credenciado pelo Ministério da Agricultura e pertence ao Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da Seapdr.

    “Este trabalho é uma parceria inédita das áreas de fiscalização, pesquisa e agricultura familiar da secretaria. E os resultados mostram que o material adquirido pelo estado é de boa qualidade e que o produtor pode plantar sem medo”, destaca Rafael Lima, chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários da Seapdr.

    As 93 amostras de sementes de 25 variedades diferentes de milho foram coletadas em diversas regiões do estado e começaram a ser analisadas pelo LTS em 17 de julho. As amostras foram aleatórias, respeitando a legislação de sementes e mudas, mas com todo o cuidado necessário para serem representativas.

    A proposta é de que esta análise das sementes de milho do programa Troca-Troca continue nas próximas safras.

    “O resultado dessas análises é mais um fator para comprovar que o programa acompanha os melhores padrões de qualidade de sementes disponíveis hoje no mercado e que estão à disposição tecnologias de ponta para atendimento das necessidades da nossa agricultura familiar. Por vezes, o valor pago pelos agricultores nas sementes é considerado baixo, podendo-se pensar que as sementes são de baixa qualidade. Enquanto na verdade, esse custo acessível é resultado de uma intensa negociação da secretaria junto aos fornecedores de sementes, além do subsídio dado pelo estado”, afirma o coordenador do programa Troca-Troca, Jonas Wesz.

    Entrega de sementes da safrinha é antecipada

    O programa Troca-Troca está atendendo neste ano mais de 50 mil agricultores. Já foram entregues no período de safra 134 mil sacas de sementes, sendo 129 mil de milho e 5 mil de sorgo, e mais 16 mil sacas de semente de milho estarão sendo entregues agora na safrinha.

    De acordo com o coordenador do programa Troca-Troca, “devido à estiagem e ao registro de perdas em algumas regiões no cultivo da safra, o programa está antecipando o início das entregas das sementes da safrinha já para os próximos dias para que agricultores tenham a disposição as sementes caso tenham condições favoráveis de novo cultivo em suas propriedades.

    Por Canal Rural

    Fonte : Canal Rural

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *