MPX diversifica matriz e entra em geração eólica

Aline Massuca/Valor / Aline Massuca/Valor
Conforme Karrer, da MPX, a empresa aumentará a eficiência, se ganhar o leilão

A MPX – empresa de energia do grupo EBX, de Eike Batista – vai participar dos dois leilões de energia nova este ano, marcados para outubro, com 521,9 megawatts (MW) de potência. Deste total, 363,2 MW serão de energia termelétrica a gás natural e 158,7 MW de geração a partir de parques eólicos. Os leilões A-3 e A-5 preveem o início de entrega de energia em 2015 e 2017, respectivamente. Os contratos terão duração de 20 anos.

A energia eólica prevista para o leilão será proveniente dos complexos de Jandaíra, Pedra Preta I e Pedra Preta II, no Rio Grande do Norte, adquiridos no início de agosto, em parceria com a alemã E.On, por R$ 22,2 milhões. O complexo, que já possui licença ambiental, tem capacidade instalada de 600 MW. A MPX espera definir em setembro os fornecedores dos aerogeradores para os parques.

Já os 363,2 MW de energia de termelétrica a gás natural serão produzidos pelo complexo em construção pela companhia em Parnaíba, no interior do Maranhão, onde já existem duas usinas planejadas: Parnaíba I e II. Até o momento, o complexo terá capacidade instalada total de 1.531 MW, dos quais 338 MW dependem de contratos a serem firmados no mercado livre. A potência do complexo, porém, poderá ser ampliada, caso a MPX vença os leilões.

Em Parnaíba, a MPX promove também – por meio de sua joint venture com a OGX, petroleira do grupo, OGX Maranhão – o desenvolvimento de oito blocos de exploração e produção na Bacia do Parnaíba, onde há descobertas de gás nos campos de Gavião Real e Gavião Azul. O início da produção é prevista para 2012.

"[No Gavião Real há] 14 poços perfurados plenamente, suportando todo o consumo futuro de gás [até 2028, no complexo termelétrico]", disse ontem o diretor-presidente e financeiro da MPX, Eduardo Karrer, em teleconferência com analistas sobre o balanço financeiro da MPX. Segundo o executivo, se ganhar o leilão, a empresa vai aumentar a eficiência da planta de 35% a 40% para 55%, fechando o ciclo da usina e aumentando a eficiência no consumo de gás.

No entanto, as reservas de gás existentes não serão suficientes para suprir o complexo de 2028 até 2035. Dessa forma, a empresa irá intensificar a exploração no local, com a perfuração de mais quatro poços na bacia. Para poder se cadastrar no leilão, a MPX precisou revisar o Plano de Desenvolvimento de Gavião Real para entregar à Agência Nacional do Petróleo (ANP). Pelas regras atuais, os agentes precisam apresentar as garantias de fornecimento de combustível para suas usinas.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2791116/mpx-diversifica-matriz-e-entra-em-geracao-eolica#ixzz23iILL3hT

Fonte: Valor | Por Rodrigo Polito e Marta Nogueira | Do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *