MP começa a ouvir os acusados de fraudar leite com formol

Novas prisões devem ser decretadas nos próximos dias pela Justiça

Marina Schmidt

Prestes a apresentar denúncia criminal contra os envolvidos no esquema de adulteração do leite, o Ministério Público do Estado (MP/RS) começa a se reunir com as empresas que tiveram seus produtos contaminados com a mistura de ureia e formol a partir de hoje. Nesta terça-feira, o MP/RS ouve a Italac e deve propor um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) à indústria, estabelecendo parâmetros de controle de qualidade a serem adotados pela empresa.
As fabricantes das demais marcas (Mu-Mu, Latvida e Líder/Bom Gosto) serão convocadas nos próximos dias com o mesmo objetivo. A promotoria do MP objetiva regular o controle das indústrias sobre os produtores e transportadores de leite, além de garantir a realização constante de testes de qualidade para o produto.
De acordo com a assessoria de imprensa do MP/RS, a denúncia criminal relativa à Operação Leite Compensado pode ser apresentada à Justiça nesta quinta-feira e deve incriminar aproximadamente 15 pessoas (o número pode variar de acordo com os depoimentos que ainda estão sendo coletados pelos promotores). Os presos da semana passada vão responder a ações civis-públicas. Há, ainda, previsão de novas prisões nos próximos dias, motivadas por evidências e denúncias que surgiram no decorrer das apurações. A perspectiva é de que a investigação seja estendida por conta disso.
Das nove pessoas presas preventivamente durante a operação, duas foram liberadas no mesmo dia, depois de prestarem depoimento. Outras seis, do chamado “Núcleo de Ibirubá”, ficaram presas em Soledade. Nos depoimentos coletado na sexta-feira, cinco delas ficaram caladas. Um empresário se manifestou para alegar que é inocente e se limitava a transportar o leite, sem ter conhecimento de qualquer adulteração.
Ontem, o promotor criminal Mauro Rockembach realizou oitiva com o empresário Leandro Vicenzi, de Guaporé, cidade onde funcionaria um segundo núcleo da fraude. Vicenzi também afirmou desconhecimento sobre a prática de irregularidades. Alegando ter colhido novas evidências, o MP vai pedir novamente que a Justiça emita mandado de prisão preventiva contra um suspeito de integrar um terceiro “núcleo”, de Horizontina. A primeira solicitação, feita com as demais, foi negada.

Governo descarta queda nos negócios na Fenasul em virtude da adulteração do produto

Apesar da preocupação dos produtores com os casos de leite adulterado investigados no Rio Grande do Sul, os negócios da 36ª Expoleite e 9ª Fenasul não devem ser afetados, acredita o chefe do Serviço de Exposições e Feiras da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Seapa, Honório Franco. “Já existe um burburinho entre os produtores que estão aqui. Mas, em termos de negócios, não devemos ter quedas, pois os empresários sabem em quem se pode confiar na cadeira produtiva de leite”, alegou.
A maior participação do setor de máquinas, tanto de ordenha e resfriamento quanto de uso no campo, para formação e fornecimento de alimentos, deve ser o diferencial da 36ª Expoleite e 9ª Fenasul, segundo Franco. A expectativa é que a feira seja a melhor dos últimos anos.
Na manhã de ontem, começaram a chegar os primeiros animais ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. São 1.990 inscritos, 500 a mais que no ano passado. O ingresso dos animais ocorre até as 22h hoje, pois já amanhã, às 6h, começam as competições de ordenha e julgamento morfológico.
A Expoleite/Fenasul acontece de 15 a 19 de maio no parque e conta ainda com atividades como a 10ª Feira do Terneiro, o remate 9º Outono Angus Show, Feira do Gado de Corte, Feira de Ovinos, Feira de Equinos, Feira de Caprinos e Feira de Pequenos Animais. Na programação, também constam leilões, julgamentos, concurso leiteiro, provas funcionais de equinos e palestras técnicas.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!