Mourão apresentará novo sistema para avançar na regularização fundiária

De acordo com o vice-presidente da República, a ideia é utilizar sensoriamento remoto

19 de agosto de 2020 às 17h28
Por Estadão Conteúdo

vista áera de cultivos, terras, crédito fundiário, regularização fundiária, terras

Regularização fundiária com presença física dificulta o processo, diz vice-presidente. Foto: Wenderson Araujo/CNA

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira, 19, que vai apresentar na quinta-feira, 20, a ministros do governo um novo sistema para avançar na regularização fundiária por meio de sensoriamento remoto até o fim do ano.

Durante o Fórum Mundial Amazônia +21, Mourão contou que a ideia será apresentada aos ministros da Agricultura, Tereza Cristina, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno. “O ministério da Agricultura, que é o encarregado disso, está concluindo o seu planejamento (para regularização). Queremos selecionar as áreas e avançar das mais simples para as mais complexas por meio do sensoriamento remoto”, disse Mourão no evento. “Amanhã, eu vou fazer uma reunião com os ministros do Meio Ambiente, da Agricultura e do GSI para apresentar um sistema que vai dar uma capacidade de verificação muito melhor do que já temos hoje. Até o final deste ano espero que a gente consiga avançar nessa questão da regularização fundiária”, emendou.

Para Mourão, o desafio é que “não há condição de você fazer essa regularização fundiária por presença física no terreno”. “É uma quantidade de mais de 500 mil famílias assentadas, fora outras propriedades existentes. A discussão sempre ficou em cima da regularização por meio do sensoriamento remoto, isso associado ao cadastro ambiental rural”, afirmou.

Ele lembrou que a legislação atual permite que propriedades de até quatro módulos rurais possam ter a sua regularização feita por meio do sensoriamento remoto, mas o restante ainda depende da aprovação do Congresso Nacional para ser feito dessa forma. “Isso solucionaria o problema de 80% dessas propriedades”, disse. “No ano passado o governo apresentou a MP 910 que avançava a quantidade de módulos até 15. O assunto entrou em discussão no Congresso, o resultado é o projeto de lei 2.633 que estabeleceu o limite em meia dúzia de módulos. Estamos aguardando a aprovação. Com isso, a gente regulamentaria em torno de 90% das propriedades.”

Fonte: Canal Rural

Compartilhe!