Morte na praia – OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

O projeto do Código Florestal superou um Everest no Senado mas deve morrer na praia da Câmara dos Deputados. O próprio presidente da Câmara, deputado Marco Maia, admite adiar a votação final para 2012.
Os deputados alegam que o Senado modificou demais o projeto da Câmara. O que é verdade: do texto original do relator Aldo Rebelo, restou pouca coisa. Mas também é verdade que houve amplo entendimento entre deputados, senadores e governo, ao longo da tramitação no Senado, justamente para se evitar que o debate retrocedesse à estaca zero e permitir que o novo código pudesse ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff ainda neste ano.
A duas semanas do recesso, a Câmara certamente não dispõe mais de tempo para reavaliar o texto. O tempo – habilmente manipulado pelas manobras de bastidores da oposição ao projeto – favoreceu quem prefere que as coisas mudem para continuar como estão, como no célebre romance O Leopardo, de Lampedusa.

Fonte: ZH – OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Um comentário em “Morte na praia – OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

  1. presados deputados desta camara o brasil esta atento principalmente os produtores rurais estamos de olhos aberto sobre voces novas eleiçao vira e o resultado voces verâo na proxima eleiçâo por isso votem com inteligencia e respeito com o produtor rural pois sou produtor rural no estado de São Paulo e a saida do brasil e pela agricultura pois pegamos o mundo pela barriga a camisa voce troca remenda cada 6 meses mas a comida e todo dia nao conseguimos passar mais de 2 dias sem comer eu dei um exemplo a um mes atraz tenho um amigo que vende frutas em frente o bradesco em londrina pr a onde eu moro ele fez um acordo com o banco o banco nao vender melancia e ele não emprestar dinheiro. traduzindo alguem pode vir de fora para tentar assaltar o banco mais ele não porque ele zela do ambiente que ele ganha o pão de cada dia assim não e diferente com o pequeno produtor rural se ele precisar tirar um cabo de enchada para a sua ferramenta ele tira com educação e respeito pela floresta pois o ano que vem ele vai precisar de um novo cabo de enchadapara trabalhar hoje com a repressão da policia floresta da promotoria do meio ambiente fazendo tortura piscologica em nossa cabeça não da.se você der um espiro na beira de um ribeirão ou funcionar um trator la estão eles novamente são sado masuquista enfiando agulhas debaixo de nossas unhas e perguntam olhando em nossos olhos se esta doendo pois fui notificado por uso nocivo de pasto porque o gado usa para beber agua pois dai em diante tomei medo por plantar pouco tenho que comprar alimento na cidade arroz feijão alho e outros pois estou traumatizado com a atitude do meio ambiente pois cristalizei não consigo fazer nada por medo OBS=sou contra cortar uma arvore sequer mais quero aliberdade de ter a minha propria conciencia de que nos pequenos produtores sabemos viver em armonia com a naturesa zelando da mesma sem repressão a ditadura acabou e que os ilustres doutores da lei tambem faça o melhor para nos produtores porque se não vamos ter que fazer o curso de ursinho panda na china e comermos folha de bambu minha propriedade me rende mais ou menos R$1700.00) um mil e setecentos reais mes . como vou pagar para reflorestar fazer projeto pagar um tecnico numa propriedade de 29 alqueire paulista e ainda perder 6 alqueires de terra a app eu concordo que temos que zelar por elea assim com eu zelo muito bem da minha e não 30 metros mais 15 metros bem cuidado vale pelos trinta perdoem o desabafo a pressão aqui dentro e maior do que nos brasiguaios sera que temos que mudar de pais.Milton Morcella Londrina Pr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *