Moçambique quer agricultores brasileiros produzindo no país

Fonte: Globo Rural

O governo moçambicano está oferecendo terras baratas para o cultivo de soja, milho e algodão

por Agência EFE

Ernesto de Souza
As terras serão oferecidas para o plantio de soja em Moçambique

O governo de Moçambique está oferecendo grandes extensões de terras baratas a agricultores brasileiros para o plantio de soja, milho e algodão, informou neste domingo (14/8) uma fonte oficial do país africano citada pelo jornal Folha de São Paulo.
"Os agricultores brasileiros têm experiência acumulada que é muito bem-vinda. Queremos repetir em Moçambique o que fizeram no cerrado há 30 anos", disse o ministro da Agricultura moçambicano, José Pacheco, em declarações ao jornal paulista.
Moçambique colocou à disposição do Brasil 6 milhões de hectares em quatro estados do norte do país, para explorá-las em regime de concessão por 50 anos, mediante o pagamento de imposto de R$ 21 ao ano por hectare, detalhou Pacheco. A condição imposta pelo governo moçambicano para oferecer as terras baratas é que seja contratada no país africano ao menos 90% da mão-de-obra.
Moçambique também vai dar outras facilidades aos brasileiros, como isenção de impostos para a importação demáquinas e equipamentos agrícolas.
O presidente da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão, Carlos Ernesto Augustin, explicou à Folha que as terras moçambicanas são muito semelhantes às do interior do Brasil, com a vantagem do preço e da facilidade de obter licenças ambientais.
"Moçambique é um Mato Grosso no meio da África, com terras de graça, sem tantos impedimentos ambientais, com o (custo) do frete à China muito mais barato. Hoje, além de terra estar caríssima em Mato Grosso, é impossível obter licença de desmatamento e limpeza de área", declarou Augustin ao jornal.
A China é o principal cliente mundial da soja procedente do Brasil e um importante comprador de outros produtos agrícolas do país sul-americano.
Segundo a Folha, a primeira leva de 40 agricultores brasileiros vai viajar em setembro a Moçambique para implantar em terras das províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula e Zambezia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *