Ministro Sanseverino aborda os desafios da Magistratura no século XXI

Ministro Sanseverino aborda os desafios da Magistratura no século XXI
Magistrado avaliou aspectos positivos e negativos da tecnologia
(Fotos: Eduardo Nichele)

Os desafios da Magistratura no século XXI foram abordados pelo Ministro do Superior Tribunal de Justiça Paulo de Tarso Vieira Sanseverino em palestra proferida nesta sexta-feira (2/8) no segundo dia do 117º Encontro do Conselho dos Tribunais de Justiça, no TJRS. A vida profissional dos Magistrados tornou-se mais complexa e controlada por organismos, pela mídia e pela sociedade digital.

Uma das grandes questões da atualidade é a revolução tecnológica, que traz benefício, como o processo judicial eletrônico, mas também problema, como a invasão de privacidade por hackers, por exemplo.

Falando sobre a inteligência artificial, já utilizada por escritórios de advocacia, o palestrante deu como exemplo o que sucede a quem faz uma simples pesquisa sobre uma cidade turística na internet. A partir da busca, o internauta passa a ser bombardeado por informações afins, sem que tenha solicitado. É um tipo de invasão de privacidade, que precisa ser controlado, constata o Ministro.

Ministro Sanseverino aborda os desafios da Magistratura no século XXI
Reconhecido e admirado, Magistrado atraiu atenção durante sua fala

Os cerca de 18 mil Magistrados que atuam no país defrontam-se com mais de 80 milhões de processos em tramitação, enquanto a Advocacia conta com 1,2 milhão de profissionais. Em grande parte, o congestionamento processual é provocado pelas demandas de massa, repetitivas, como as ações de revisão dos contratos bancários, surgidas na década de 1990. O Supremo Tribunal Federal (STF) tem usado como antídoto o mecanismo da repercussão geral e o STJ, os recursos repetitivos.

Somados a problemas como o número de processos e as demandas de massa, os Magistrados deste século têm de fazer a gestão dos processos e a gestão do pessoal do gabinete, restando pouco tempo para se dedicar a processos marcantes na carreira. Sanseverino defendeu um resgate da atividade-fim do juiz, que é a jurisdição, o julgamento de processos, e recomendou a simplificação como chave para boas soluções.


EXPEDIENTE
Texto: Carlos Alberto Machado de Souza
Assessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arend
imprensa@tjrs.jus.br

Fonte : TJRS