Ministério desconhece razões do veto saudita

O Ministério da Agricultura estuda enviar em breve uma missão técnica à Arábia Saudita para compreender as razões que levaram Riad a suspender as exportações de carne de aves de 33 frigoríficos brasileiros, afirmou uma fonte do governo.

Técnicos da Pasta admitem que há muito a ser esclarecido no campo técnico sobre os motivos que levaram o principal país importador de carne do frango do Brasil a barrar os frigoríficos. Os sauditas ainda não divulgaram um posicionamento oficial e a embaixada do país em Brasília vem evitando dar declarações.

Segundo técnicos consultados pelo Valor, não houve alegação de problemas sanitários por parte dos sauditas, como é comum em suspensões do gênero. Isso reforça a tese do Ministério da Agricultura de que a razão para as desabilitações tem fundo comercial.

No momento, fiscais do Ministério da Agricultura ainda se debruçam sobre o relatório da última auditoria realizada pelos sauditas no Brasil em outubro, quando oito plantas de aves e três de bovinos foram inspecionadas pelos sauditas.

Já se sabe que apenas uma dessas auditadas – a unidade da BRF em Lajeado (RS) – está na lista dos estabelecimentos desabilitados.

Uma fonte a par do assunto avalia que as negociações também devem demorar a engrenar. A embaixada brasileira em Riad, capital da Arábia Saudita, está em transição. O último dia Flávio Marega como embaixador no país será hoje. Ontem, aliás, o perfil do jornal saudita Al Riyadh no Twitter publicou uma foto de uma audiência entre Marega e o rei Salman bin Abdul-Aziz al-Saud. A despedida de Marega era a pauta da audiência. Não está claro se as restrições à carne de frango foram abordadas nessa audiência.

Por Cristiano Zaia | De Brasília

Fonte : Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.