Minerva adquire o capixaba Frisa

Em meio ao cenário de escassez de crédito, juros altos e forte redução do consumo de carne bovina no Brasil, a Minerva Foods, terceira principal empresa de carne bovina do país, anunciou ontem um acordo para a compra do frigorífico capixaba Frisa, por R$ 205 milhões.

Tida como um negócio de oportunidade pelo mercado, a aquisição do Frisa – que teve receita líquida de R$ 942 milhões em 2015 – não estava entre as prioridades da Minerva. Várias vezes, ao longo deste ano, executivos da empresa enfatizaram o plano de crescer por meio de aquisições na Argentina e na Colômbia.

"Entendemos que podem surgir oportunidades únicas, o que parece ser o caso", avaliou ontem o Itaú BBA, em relatório intitulado "Uma aquisição inesperada". Ainda que preferissem ver a redução do índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda em 12 meses) da Minerva no curto prazo, os analistas dos banco admitiram que a compra do frigorífico é "positiva".

Pelas estimativas do Itaú BBA, a aquisição do Frisa fará com que o índice de alavancagem da Minerva atinja 3,5 vezes no fim deste ano. Antes da compra, o banco estimava 3,3 vezes. No fim do segundo trimestre, esse índice era de 2,7 vezes.

Apesar do aumento inicial no índice de endividamento, a aquisição do Frisa deve ter efeito neutro – ou até mesmo positivo – para a alavancagem da companhia em 2017.

Pelos termos do acordo anunciado ontem, a Minerva pagará 50% (R$ 102,5 milhões) do valor da aquisição na data do fechamento da operação, que ainda depende do aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O restante será pago em três parcerias anuais, equivalentes a 10%, 20% e 20% do valor total.

Se a aquisição for aprovada ainda neste ano, a Minerva pagaria só 10% do valor total em 2017. Na prática, a parcela pode ser inclusive inferior ao lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) do próprio Frisa, reduzindo a alavancagem. No ano passado, o Frisa reportou margem Ebitda de 4,6% (cerca de R$ 45 milhões). Além disso, esse índice pode crescer, tendo em vista o nível de margem da Minerva, perto de 10%.

Não há sobreposição entre as operações da Minerva e do Frisa. A empresa capixaba tem três unidades de abate, em Colatina (ES), Nanuque (MG) e Teixeira de Freitas (BA). Juntos, as plantas podem abater 1,7 mil cabeças de bovinos por dia, o que eleva a capacidade da Minerva em 10%, para 19 mil cabeças por dia.

Em nota ontem, a Minerva informou que o Frisa é o sexto maior exportador de carne bovina do Brasil – o frigorífico capixaba obtém 30% da receita nas vendas ao exterior. A Minerva é a segunda maior exportadora, com faturamento superior a R$ 10 bilhões.

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.