Milho concentra debates na abertura da Expodireto

EXPODIRETO COTRIJAL/DIVULGAÇÃO/JC

Primeiro dia contou com grande número de visitantes no parque

Primeiro dia contou com grande número de visitantes no parque

O cenário promissor para o milho no Rio Grande do Sul foi o destaque do primeiro dia da 14ª Expodireto Cotrijal, cuja abertura ocorreu ontem, em Não-Me-Toque. Durante boa parte do dia, lideranças vinculadas a produtores e compradores do cereal estiveram reunidos para debater o presente e as expectativas em relação ao cereal.
O coordenador do 5º Fórum Nacional do Milho e presidente-executivo da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), Odacir Klein, ressaltou que, com as iniciativas na área de irrigação, incremento de tecnologia das sementes e com a liberação de crédito do governo para financiar estoque e compra do cereal, é aguardado um aumento da produção no Estado. “Se esses fatores se consolidarem, podemos ter números de rendimento e de produção ainda mais elevados do que o esperado nesta safra e, quem sabe, autossuficiência”, disse Klein. Conforme dados do 5º levantamento de safra da Conab, divulgados em fevereiro, a produção gaúcha deve fechar em 4,7 milhões de toneladas, o que representa incremento de 40,6% em relação ao período 2011/2012, quando a produção de milho foi de 3,34 milhões de toneladas. 
O dirigente também destacou a importância da liberação de R$ 250 milhões em crédito, anunciada recentemente pelo Banrisul, para fomentar a comercialização do cereal no Estado e também incentivar a produção do mesmo. “Produzimos menos do que consumimos e, com essa medida, asseguramos que o produto não deixe o Estado, incentivamos o consumo interno do produtor, reduzindo nossa dependência pela importação”, avaliou Klein. O mercado mundial de milho também foi destaque durante o fórum. “Frente a uma safra boa nos Estados Unidos, cujos estoques estão baixos, não vislumbramos baixas nos preços dos milhos no mercado internacional”, reforçou.
Segundo Klein, durante o fórum, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, informou que o governo está preocupado em garantir financiamento para armazenagem nas propriedades, além de prover recursos para logística da safra. No evento, também foram apresentados diferentes cenários para o cereal no País, em um comparativo entre a realidade de Santa Catarina e do Mato Grosso: o primeiro encara problemas de abastecimento, e o segundo contabiliza excedentes de produção e enfrenta problemas de logística para escoamento da produção. “Debatemos ainda propostas de aprimoramento do conjunto de normas para que haja mais eficiência na formação de estoques públicos, armazenagem e movimentação de produtos quando necessário”, disse Klein. Assuntos como a garantia de preços mínimos, os mecanismos para aquisições de produto para a formação de estoques e o estímulo à rápida movimentação de milho entre as regiões também foram temas de pauta.
O presidente da Cotrijal, Nei Mânica, disse que no primeiro dia do evento foi registrado um incremento de 2% no público na comparação com a edição 2012 da feira, chegando a 21 mil pessoas. “Hoje será o dia da soja na Expodireto, com a realização do Fórum Nacional para tratar da oleaginosa”, destacou.

Banrisul anuncia R$ 250 milhões para safra de inverno

O Banrisul anunciou ontem, durante interiorização do governo do Estado na Expodireto, R$ 250 milhões para financiar o custeio e a comercialização de culturas de inverno, além de recursos para o custeio pecuário e produção de hortifrutigranjeiros.  Segundo o presidente da instituição, Túlio Zamin, o banco vem fazendo esse esforço para poder concretamente e objetivamente colocar à disposição dos produtores esses recursos, tanto para a produção das lavouras de inverno, como para a comercialização do milho.
Na oportunidade, o dirigente informou que os 40 profissionais e técnicos do Banrisul que estão atuando na feira foram orientados a trabalhar fortemente na divulgação do programa Mais Água, Mais Renda. “Nos novos tempos em que vivemos, o grande investimento é em inovação, em tecnologia”, destacou, afirmando que “nesse momento, com a perspectiva de uma boa safra de grãos, a aplicação em irrigação por meio desse programa do governo do Estado é uma excelente alternativa”.
O trigo é considerado o principal produto da safra de inverno. Porém, há outras culturas importantes, como aveia, triticale, centeio, girassol, além da cevada para a indústria de bebidas, e a canola, como alternativa de grão de inverno para a indústria de biocombustível, que também são contempladas pelo financiamento. Do total dos recursos, no mínimo R$ 150 milhões serão empregados no financiamento do custeio do trigo. Na safra anterior, foram financiados nesta modalidade R$ 62,6 milhões. Para o ano de 2013, a expectativa é que a área plantada da cultura de trigo deva crescer 4,7%, segundo dados da Conab.

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *