Mesmo com perdas ampliadas no RS, Brasil mantém safra histórica

Produção gaúcha encolheu ainda mais em relação ao mês passado, apontam levantamentos divulgados nesta terça-feira (9)

09/06/2020 – 14h56minAtualizada em 09/06/2020 – 15h18min
GISELE LOEBLEIN

Emater / Divulgação
Para Conab, produção de soja no RS foi revisada para 10,85 milhões de toneladas, 43,4% a menos do que na safra anteriorEmater / Divulgação

Com a colheita encerrada, os números das perdas no Rio Grande do Sul em razão da estiagem vão ficando mais próximos da realidade. Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e IBGE divulgaram nesta terça-feira (9) novo levantamento da safra e revisaram para baixo as estimativas para o Estado. Mesmo assim,  no cenário nacional, a safra de grãos se consolida como a maior da história.

Pelo levantamento da Conab, a colheita gaúcha de soja soma 10,85 milhões de toneladas, o que representa recuo de 43,4%  na comparação com o 2018/2019 — e corte de 577,6 mil toneladas em relação ao balanço divulgado em maio. Esse volume é próximo ao projetado pela Emater, 10,6 milhões de toneladas. No total de grãos (incluídos os de inverno) são 25,8 milhões de toneladas, 27,5% a menos do que no ciclo anterior.

— A soja reduziu mais um pouco, e o arroz  confirmou a alta — observa José Bicca, superintendente da Conab no RS.

A produção do arroz foi ajustada para cima, com volume 6,5% maior do que o do ano passado e produtividade recorde de 8.369 quilos por hectare. No total de grãos do Brasil, são 250,54 milhões de toneladas.

Para o IBGE, a colheita nacional é de 245, 9 milhões de toneladas . No Estado, a safra evidencia os prejuízos da estiagem, embora em patamares diferentes. Na soja, as 11,22 milhões de toneladas representam diminuição de 39,3% sobre o ano passado.

— A produção de soja teve queda de 1,4% sobre o mês anterior no país. Se deve aos problemas climáticos enfrentados no Rio Grande do Sul, que teve seca prolongada. Contudo, ainda é recorde — reforça Carlos Barradas, gerente do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do IBGE.

Fonte: Zero Hora

Compartilhe!