Mercado poderá ‘racionar’ até 30% da demanda de soja

O tempo seco que entre o fim de 2011 e o início deste ano varreu das lavouras boa parte dos grãos que seriam produzidos na América do Sul, também devastou os plantios no Meio-Oeste americano, especialmente nos últimos dois meses. Resultado: uma oferta de soja e milho arruinada, e a necessidade urgente de conter a demanda mundial.

Com o início da colheita do ciclo 2012/13 nos Estados Unidos, analistas começam a colocar na ponta do lápis quanto dessa demanda, afinal, terá de ser reprimida. "Acredito que o mercado precisará racionar 27,7% da demanda por soja", diz Stefan Tomkiw, vice-presidente da mesa de derivativos para América Latina do Jefferies Bache, em Nova York.

Para Tomkiw, 8,1 pontos percentuais desse corte viriam do esmagamento e 19,6 das exportações, o que totalizaria 9,25 milhões de toneladas. "Esses números dizem respeito aos EUA, mas como este é o único grande fornecedor de soja neste momento, a projeção faz bastante sentido no cenário mundial", completa.

Porém, para frear a demanda, é preciso uma elevação maior nas cotações da soja, já que o interesse dos compradores ainda não deu sinais concretos de arrefecimento. "Preços acima de US$ 17,50 por bushel na bolsa de Chicago (na sexta-feira, ficaram em US$ 17,3150) devem começar a estimular o racionamento", afirma Tomkiw.

Um outro analista que opera no mercado internacional acredita que esse valor seja ainda um pouco maior, entre US$ 18 e US$ 19 por bushel. Para ele, o mercado precisará racionar entre 7 milhões e 10 milhões de toneladas de soja. "Mas dependerá muito da produção mundial. Haverá maior oferta de soja no mercado com o início da colheita americana, mas um problema climático no Brasil ou no Paraguai, que estão começando o plantio, pode mexer com esse quadro", pondera o especialista, que acredita que a máxima de preços da oleaginosa virá em setembro.

Em relação ao milho, o analista prevê a necessidade de um racionamento de 38 milhões a 42 milhões de toneladas, vindo, principalmente, do consumo americano. "Milho é um problema interno dos EUA. Diferente da soja, o grão é mais para abastecimento doméstico, já que 40% da produção é destinada ao etanol no país", completa.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2803954/mercado-podera-racionar-ate-30-da-demanda-de-soja#ixzz24kaGGbsi

Fonte: Valor | Por Mariana Caetano | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *