MERCADO – Boi estabiliza mas carne bovina está em queda; veja notícias desta quinta

O mercado brasileiro de milho também opera em ritmo de final de ano e seguiu pelo segundo dia consecutivo sem alterações

Boi: arroba fica estável em São Paulo; atacado tem novo recuo

  • Milho: com mercado em ritmo de final de ano, preços seguem sem alterações

  • Soja: alta do dólar traz leve valorização para saca

  • Café: arábica volta a subir em Nova York e no Brasil

  • No Exterior: Banco Central dos EUA mantém juros próximos de zero

  • No Brasil: Congresso aprova Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2021

Agenda

  • Brasil: Relatório Trimestral de Inflação (Banco Central)

  • Brasil: dados das lavouras do Rio Grande do Sul (Emater)

  • EUA: exportações semanais de grãos (USDA)

Boi: arroba fica estável em São Paulo; atacado tem novo recuo

A arroba do boi gordo negociada em São Paulo ficou estável após uma grande sequência de quedas no mercado físico e mirando a recuperação dos preços nos contratos futuros. Porém, a carne bovina vendida no atacado recuou de acordo com a consultoria Safras & Mercado. O corte dianteiro e a ponta de agulha caíram 20 centavos na comparação diária e ficaram em R$ 14,60 o quilo.

Pelo terceiro dia consecutivo, os contratos futuros do boi gordo negociados na B3 subiram e seguem demonstrando acomodação da pressão de baixa no mercado físico. O ajuste do vencimento para dezembro passou de R$ 254,30 para R$ 255,65.

Milho: com mercado em ritmo de final de ano, preços seguem sem alterações

O mercado brasileiro de milho opera em ritmo de final de ano e seguiu pelo segundo dia consecutivo sem alterações relevantes nos preços. Segundo a consultoria Safras & Mercado, algumas empresas já encerraram suas atividades no ano e com isso, o mercado esteve praticamente parado nesta quarta-feira, 16.

Assim como no caso do boi gordo, os contratos futuros do milho na B3 tiveram o terceiro dia consecutivo de ajustes positivos. Com o balcão parado, a bolsa opera seguindo movimentos técnicos de cobertura de posições vendidas e de olho na dinâmica do câmbio. O ajuste do vencimento para janeiro passou de R$ 76,35 para R$ 77,15 por saca.

Soja: alta do dólar traz leve valorização para saca

O dólar subiu 0,34%, de R$ 5,0889 para R$ 5,1062, e trouxe leve valorização para a saca de soja no mercado brasileiro. Os preços ainda contaram com a ajuda do exterior, pois, apesar de a oleaginosa negociada em Chicago fechar em leve baixa, os contratos futuros operaram a maior parte do dia em alta e impulsionam a valorização no Brasil.

No exterior, como dito anteriormente, o pregão foi marcado por alta volatilidade. Os sinais de demanda pela soja norte-americana chegaram a levar os preços para perto dos US$ 12 por bushel. Porém, a cotações perdeu força neste nível e recuou com ajustes técnicos.

Café: arábica volta a subir em Nova York e no Brasil

As cotações do café arábica voltaram a subir tanto em Nova York como no mercado físico brasileiro. Internamente, os preços também foram ajudados pela alta do dólar em relação ao real. No exterior, a sustentação veio da elevação do petróleo e com o momento de otimismo dos investidores em relação à volta da demanda a partir do aumento da vacinação.

O indicador do café arábica do Cepea subiu de R$ 596,64 para R$ 608,32 por saca. Dessa forma, a cotação recuperou totalmente as perdas observadas na primeira quinzena de dezembro e agora sobe 0,2%.

No Exterior: Banco Central dos EUA mantém juros próximos de zero

O Banco Central dos Estados Unidos (Federal Reserve – FED) manteve as taxas de juros do país próximas de zero na última reunião de política monetária do ano. Além disso, o comunicado mostrou que a autoridade monetária se comprometeu a seguir comprando US$ 120 bilhões em títulos mensalmente até que a economia volte ao nível de pleno emprego e a inflação volte à meta.

Os mercados reagiram de maneira positiva à sinalização de mais estímulos monetários por um período prolongado e seguem mirando o acordo para um pacote fiscal. Líderes dos partidos democrata e republicano voltaram a dizer que estão avançando nas negociações de uma ajuda de US$ 900 bilhões à economia norte-americana.

No Brasil: Congresso aprova Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2021

O Congresso Nacional aprovou nesta quarta-feira o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021 (PLN 9/2020). O texto prevê um aumento de 4% no salário mínimo para R$ 1088, o maior déficit primário dos últimos oito anos, de R$ 247,1 bilhões, e um crescimento de 3,2% do PIB.

A bolsa brasileira teve mais um dia de alta expressiva apoiada novamente pela entrada de capital estrangeiro. As altas modestas nas bolsas norte-americanas também ajudaram. Agora, o Ibovespa já sobe quase 2% no acumulado do ano.

Por Felipe Leon, com agências de notícias

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *