MERCADO – As notícias que você precisa saber agora para começar bem a quinta-feira

Arroba tem novas baixas no mercado físico e no futuro. Por outro lado, cotações do café seguem com bom avanço no Brasil e no exterior

19 de novembro de 2020 às 07h25

Por Felipe Leon, com agências de notícias

  • Boi: arroba segue em baixa e marca mínima em 2 semanas no Cepea

  • Milho: retenção da oferta segura preços e evita maiores quedas

  • Soja: demanda doméstica mais fraca gera pressão na saca

  • Café: cotações voltam a subir de maneira expressiva no Brasil e no exterior

  • No Exterior: fechamento de escolas em Nova York ofusca avanço de vacinas

  • No Brasil: agência de classificação de risco alerta para cenário fiscal brasileiro

Agenda:
  • Brasil: dados das lavouras do Rio Grande do Sul (Emater)

  • EUA: exportações semanais de grãos dos EUA

  • EUA: pedidos semanais de seguro-desemprego

Boi: arroba segue em baixa e marca mínima em 2 semanas no Cepea

O indicador do boi gordo do Cepea recuou pelo terceiro dia consecutivo e marcou a mínima em duas semanas. A cotação passou de R$ 285,45 para R$ 282,15. Ainda assim, em novembro, há uma alta acumulada de 1,3%. Por outro lado, os preços do bezerro no indicador para o estado do Mato Grosso do Sul renovaram seus recordes históricos. O valor passou de R$ 2450,50 para R$ 2473,45 por cabeça, acumulando uma alta de 6,9% em novembro.

Na B3, os contratos futuros do boi gordo apresentaram comportamento semelhante ao do mercado físico. No quarto dia consecutivo de ajustes menores na comparação diária, a curva agora já se situa abaixo de R$ 280 por arroba. O vencimento para novembro passou de R$ 283,95 para R$ 278,45 e para dezembro de R$ 278,2 para R$ 274,65.

Milho: retenção da oferta segura preços e evita maiores quedas

O mercado brasileiro de milho segue pressionado pelo movimento do dólar, que chegou a trabalhar abaixo dos R$ 5,30 durante grande parte do dia, mas fechou em ligeira alta. Apesar disso, a retenção da oferta por decisão do vendedor sustenta as cotações e impede quedas maiores dos preços.

O indicador do milho do Cepea, com base nos preços em Campinas (SP), passou de R$ 80,92 para R$ 80,44 por saca. Na B3, os contratos futuros tiveram comportamento misto, mas as baixas predominaram na parte mais curta da curva. Para janeiro de 2021, o ajuste foi de R$ 79,87 para R$ 79,98 e para março de R$ 80,23 para R$ 80 por saca.

Soja: demanda doméstica mais fraca gera pressão na saca

De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a negociação da soja no Brasil segue bastante travada com os preços oscilando de maneira regionalizada. A consultoria avalia uma demanda doméstica mais fraca da indústria nos últimos dias, o que acaba pressionando as cotações. Apenas nos estados do Mato Grosso e Goiás os preços subiram. O bom desempenho da soja na bolsa de Chicago limita as baixas no mercado brasileiro.

No levantamento diário da consultoria destaque para Passo Fundo (RS), onde a saca recuou de R$ 172 para R$ 170, e Cascavel (PR), que foi de R$ 170 para R$ 165. Por outro lado, como dito anteriormente, em Rondonópolis (MT), subiu de R$ 184 para R$ 185 e em Rio Verde (GO), de R$ 180 para R$ 182.

Café: cotações voltam a subir de maneira expressiva no Brasil e no exterior

O indicador do café arábica do Cepea engatou a sexta alta consecutiva subindo 3,5% na passagem diária. A cotação passou de R$ 568,44 para R$ 588,52 por saca e chegou a uma elevação acumulada de 9,5% no mês.

No exterior, na bolsa de Nova York, o arábica ficou bem próximo dos US$ 1,20 por libra-peso, em uma alta diária de 3,06%. A força do mercado de café está ligada ao bom desempenho do mercado de petróleo e à queda do dólar frente a seus pares globais de moedas.

No Exterior: fechamento de escolas em Nova York ofusca avanço de vacinas

O fechamento de escolas em Nova York, anunciado mais para o fim do dia de negócios de ontem, quarta-feira, 18, ofuscou as notícias positivas de avanço das vacinas e gerou uma onda de pessimismo nos mercados globais, que se estende para o dia de hoje. O medo de que a segunda onda da doença se espalhe de maneira mais profunda antes que uma vacina comece a ser distribuída pesou entre os investidores.

As empresas Pfizer e BioNTech anunciaram os resultados da fase final dos estudos e apontaram eficácia de 95% de sua vacina. Elas afirmaram também que o pedido de permissão será encaminhado nos próximos dias para a agência norte-americana de aprovação de medicamentos.

No Brasil: agência de classificação de risco alerta para cenário fiscal brasileiro

A agência de classificação de risco Fitch Ratings reafirmou a nota de crédito do Brasil nesta quarta-feira e manteve a perspectiva como negativa, ou seja, com maior probabilidade de rebaixamento da nota nos meses a frente. Porém, o que chamou maior atenção do mercado foi o alerta para os riscos fiscais do país em um ambiente de grande incerteza da política doméstica e o avanço do coronavírus pelo mundo.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *