MERCADO – As notícias que você precisa saber agora para começar bem a quarta-feira

Contratos futuros do boi gordo e do milho se recuperam na B3. Soja alcança novo recorde em Rio Verde (GO)

Por Felipe Leon, com agências de notícias

  • Boi: contrato para dezembro volta a ficar acima de R$ 290 por arroba
  • Milho: futuros se recuperam após três dias de baixas e retomam nível de R$ 80 por saca
  • Soja: saca tem alta expressiva e vai a R$ 186 em Rio Verde (GO)
  • Café: preço sobe no Brasil seguindo câmbio e Nova York
  • No exterior: incerteza com resultado eleitoral pode pesar nos mercados
  • No Brasil: balança comercial tem segundo melhor outubro da série
Agenda:
  • Brasil: produção industrial de setembro (IBGE)
  • EUA: balança comercial de setembro
  • EUA: estoques semanais de petróleo
Boi: contrato para dezembro volta a ficar acima de R$ 290 por arroba

Os contratos futuros do boi gordo na B3 tiveram mais um dia de alta nesta terça-feira, 3, e o vencimento para dezembro voltou a ficar acima de R$ 290 por arroba. Desde o último dia 21 de outubro isso não ocorria. O contrato para novembro, o mais líquido atualmente, passou de R$ 285,05 para R$ 288,95 e o para dezembro de R$ 288,85 para R$ 292,30. Dessa forma, os dois vencimentos renovaram seus recordes históricos.

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o volume total exportado de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada ficou em 162,6 mil toneladas em outubro. Foi o terceiro melhor resultado do ano. Porém, considerando a média diária de embarques por dia útil, o volume de 8,1 mil toneladas foi o maior da história.

Milho: futuros se recuperam após três dias de baixas e retomam nível de R$ 80 por saca

Os contratos futuros de milho na B3 se recuperaram das quedas dos últimos três pregões e retomaram o nível de R$ 80 por saca. O vencimento novembro passou de R$ 79,63 para R$ 81,57. Por outro lado, o indicador do milho do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), com base nos preços em Campinas (SP), seguiu refletindo as baixas dos dias anteriores nos futuros e recuou 1,4% de R$ 81,89 para R$ 80,77 por saca.

Soja: saca tem alta expressiva e vai a R$ 186 em Rio Verde (GO)

De acordo com a Safras & Mercado, o mercado de soja segue travado e praticamente sem negócios. Os preços são regionalizados e nominais. Ainda assim, a alta do dólar e dos contratos futuros em Chicago elevou as indicações no Brasil e tem causado algumas distorções, em virtude da falta do produto no país, segundo a consultoria. Como exemplo, a necessidade dos compradores fez a soja saltar de R$ 180 para R$ 186 em Rio Verde (GO).

As exportações de soja totalizaram 2,49 milhões de toneladas em outubro e foram 50,9% menores do que o registrado no mesmo período do ano passado. Na comparação com setembro deste ano, o volume foi 44,2% menor.

Café: preço sobe no Brasil seguindo câmbio e Nova York

O mercado físico brasileiro de café registrou preços firmes e ligeiramente mais altos, segundo a Safras & Mercado. As cotações foram impactadas positivamente pelas altas do dólar e do arábica na Bolsa de Nova York.

No sul de Minas Gerais, o arábica bebida boa com 15% de catação terminou o dia em R$ 535/540 a saca, contra R$ 530/535 de sexta-feira. No cerrado mineiro, o arábica bebida dura com 15% de catação ficou em R$ 540/545 a saca, no comparativo com R$ 535/540 anteriormente.

No exterior: incerteza com resultado eleitoral pode pesar nos mercados

Um resultado apertado e passível de judicialização era talvez o único cenário de risco para o desempenho dos mercados em virtude da incerteza, que ganha ainda mais peso em um contexto de pandemia global. Com votos ainda a serem contados, sobretudo os que foram enviados por correios, pode não ser possível declarar um vencedor oficial nesta semana.

Com os resultados apurados até agora, o desempenho do atual presidente, Donald Trump, é muito superior aos projetados pelas pesquisas. Ainda assim, não é possível conceder a vitória a Trump de maneira matemática. Com incerteza elevada, o risco aumenta e os mercados tendem a apresentar excessiva volatilidade.

No Brasil: balança comercial tem segundo melhor outubro da série

A diminuição das importações em virtude da pandemia causada pelo novo coronavírus e o crescimento das exportações levaram a balança comercial brasileira a apresentar o segundo melhor saldo positivo para meses de outubro dentro da série história. No mês passado, o país exportou US$ 5,47 bilhões a mais do que importou. Esse resultado só não é maior para o mês que o registrado em 2018. As commodities agrícolas seguem como grande destaque.

Fonte: Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *