Medidas do governo federal voltadas ao agronegócio na crise foram bem sucedidas, diz o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, avaliou que as medidas do governo voltadas para o agronegócio estão sendo bem sucedidas apesar das dificuldades impostas pela crise do coronavírus, acrescentando que o crédito rural cresceu 10,6% no ano agrícola 2019/2020.

"Mesmo durante a crise atual o BC vem atuando em diversas frentes para apoiar o setor agropecuário e com vistas à modernização do crédito rural", afirmou ele, em depoimento gravado em 9 de julho e exibido nesta segunda-feira (3) no Congresso Brasileiro do Agronegócio.

Campos Neto lembrou que o governo autorizou recentemente a prorrogação do reembolso das operações de crédito rural, de custeio e investimento, e a contratação de financiamento para garantia de preços ao produtor.

Também foram criadas linhas especiais de crédito para pequenos e médios agricultores, frisou o presidente do BC.

Em sua fala, Campos Neto lembrou ainda que títulos relacionados ao financiamento do agronegócio agora podem ser emitidos e registrados de forma eletrônica e avaliou que isso, após regulamentação pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), deverá tornar o mercado de crédito privado mais seguro, transparente e ágil e com custo de registro mais baixo.

Produtores rurais O Diário Oficial da União desta segundafeira (3) tem resoluções do Conselho Monetário Nacional (CMN) com medidas para ajudar produtores rurais prejudicados pelo ciclone bomba que atingiu o Sul do país e pela pandemia de covid-19.

Uma das resoluções do CMN, divulgadas na semana passada, é voltada a agricultores familiares prejudicados pelo ciclone que atingiu a Região Sul no fim de junho.

Eles terão os juros do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) reduzidos. O conselho autorizou que esses produtores acessem as linhas de crédito com juros de 2,75% ao ano, as taxas mais baixas cobradas no programa.

A taxa será aplicada a todas as atividades financiadas pelo Pronaf para os agricultores familiares que vivam na região afetada pelo ciclone bomba.

O CMN elevou os limites que agricultores familiares, empreendedores rurais familiares e cooperativas de agricultores familiares podem pegar emprestados no Pronaf para industrializarem a produção.

Aplicada excepcionalmente para o ano safra 2020-2021, a elevação do limite de crédito do Pronaf valerá para todo o país, não apenas para as regiões afetadas pelo ciclone.

O teto subiu de R$ 45 mil para R$ 60 mil para pessoas físicas, de R$ 210 mil para R$ 300 mil para os pequenos produtores rurais registrados como pessoa jurídica e de R$ 15 milhões para R$ 20 milhões para as cooperativas familiares.

As informações são da agência de notícias Reuters e da Agência Brasil.

Fonte: O Sul

Compartilhe!