Mato Grosso continua liderando o desmatamento na Amazônia

Derrubada de árvores na região atingiu área de 175 km² entre março e abril

por Agência Brasil

Filipe Rodondo

Mato Grosso continua liderando o ranking da derrubada de árvores na região (Foto: Filipe Rodondo/Ed. Globo)

O desmatamento e a degradação de florestas na Amazônia atingiram uma área de quase 175 quilômetros quadrados (km²) nos meses de março e abril deste ano. O levantamento de alertas foi divulgado nesta segunda-feira (6/5) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), responsável pelo Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real, conhecido como Deter. No mesmo período de 2012, o sistema detectou desmatamento de 292 quilômetros quadrados – quase o dobro da área identificada este ano.
Mato Grosso continua liderando o ranking da derrubada de árvores na região, com 83,57 quilômetros quadrados de devastação nos dois meses analisados – respondendo por 47% do total.
Pelas informações do órgão, as áreas de alerta nos Estados do Acre, do Amazonas, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia, de Roraima e de Tocantins foram identificadas mesmo com uma cobertura de nuvens em quase 50% do território investigado no período. Entre novembro e abril, período em que as chuvas são mais constantes na Amazônia, as imagens ficam relativamente comprometidas. Essa é a justificativa utilizada pelo Inpe para não comparar resultados entre diferentes meses.

Coleta de dados

Os técnicos do instituto afirmam que a limitação meteorológica e a resolução relativa de captação de imagens – de 250 metros, permitindo captar apenas áreas maiores que 25 hectares -, são compensadas pela frequência de informações repassadas aos órgãos de fiscalização, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
“A menor resolução dos sensores usados pelo Deter é compensada pela capacidade de observação diária, que torna o sistema uma ferramenta ideal para informar rapidamente aos órgãos de fiscalização sobre novos desmatamentos”, destacou em nota a assessoria do Inpe.
As imagens captadas pelos satélites utilizados pelo instituto permitem a visualização de áreas de corte raso, quando há a retirada completa da floresta nativa em uma área, e de evidências de degradação pela extração de madeira ou incêndios florestais, que tipificam o processo de desmatamento na região.
O presidente do Ibama, Volney Zanardi Junior, vai detalhar ainda nesta segunda-feira os dados divulgados pelo Inpe. A principal preocupação das autoridades responsáveis pelo combate aos crimes ambientais na região é explicar à população que nem todo alerta é uma comprovação de que há desmatamento.
Nos últimos balanços divulgados, o governo vem destacando um esforço para integrar informações nacionais e estaduais. A derrubada de árvores em determinadas áreas pode ter a licença dos órgãos ambientais locais, o que deixaria de configurar crime.

Fonte: Globo Rural

Compartilhe!