Marroquina OCP terá fatia de até 10,5% na Heringer

A Fertilizantes Heringer, uma das maiores empresas do segmento no país, anunciou ontem que a OCP International Cooperative U.A., com sede no Marrocos, deverá assumir uma participação de entre 9,5% e 10,5% em seu capital social.

Ontem, ambas assinaram um contrato por meio do qual a OCP se comprometeu a subscrever entre 5,386 milhões e 5,686 milhões de novas ações ordinárias que serão emitidas pela Heringer (todas nominativas, escriturais e sem valor nominal), ao preço de emissão de R$ 27. Essas ações serão parte de um aumento de capital que ficará entre R$ 145,414 milhões e R$ 226,577 milhões. Ontem, os papéis fecharam a R$ 7,64 na BM&FBovespa. O "prêmio" também reforça a percepção do mercado de que suas ações estão subvalorizadas.

Um analista consultado pelo Valor lembrou que o segmento de fertilizantes está em evidência no Brasil após a recente aquisição dos negócios de fertilizantes da ADM no país pela também americana Mosaic e a conclusão do acordo de aquisição da área de adubos da Bunge pela norueguesa Yara, no ano passado.

Esse aumento de capital da Heringer, que inclui ações que poderão ser subscritas por outros investidores, ainda tem de ser aprovado pelo conselho de administração da empresa brasileira. O negócio com a companhia marroquina também depende do sinal verde do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). "Se o aumento de capital for implementado nos termos do contrato de subscrição, a OCP deverá deter uma participação entre 9,5% e 10,5% do capital social" da Heringer, afirma comunicado enviado ontem pela companhia brasileira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"A nova estrutura societária e o aumento de capital proporcionarão os recursos necessários para dar continuidade ao processo de crescimento [da Heringer], bem como a instalação de novas unidades misturadoras", continua o comunicado. A Heringer já é uma tradicional importadora de matérias-primas da OCP. Nesse contexto, outro contrato de longo prazo deverá ser assinado envolvendo o fornecimento de produtos à base de fosfato da OCP para a Heringer. A marroquina é uma das maiores produtoras de rocha fosfática do mundo. O Banco Itaú BBA e o Rabobank atuaram como assessores financeiros da Heringer no negócio.

"O acordo vai fortalecer a Heringer e a OCP", afirmou Dalton Heringer, presidente da empresa brasileira, ao Valor. Se confirmado o negócio, será a primeira incursão direta, por meio de participação acionária, da OCP em uma companhia do segmento no Brasil.

A Heringer encerrou o primeiro trimestre deste ano com lucro líquido de R$ 32,1 milhões, ante prejuízo líquido de R$ 11,875 milhões no mesmo período de 2013. O desempenho foi considerado o melhor da história da companhia para o intervalo. A receita líquida da companhia, que superou R$ 5 bilhões em 2013, alcançou R$ 1,193 bilhão nos primeiros três meses do ano, alta de 9,1% na comparação. A OCP, por sua vez, fatura US$ 5,5 bilhões por ano.

A Heringer anunciou no mês passado que iniciou a construção de duas novas unidades misturadoras de adubos no país. As plantas devem substituir outras que eram terceirizadas. Assim, a empresa continuará a contar com 21 unidades do gênero no Brasil e sua capacidade de produção total deverá aumentar para cerca de 6,5 milhões de toneladas por ano. No ano passado, a companhia brasileira comercializou cerca de 5 milhões de toneladas de fertilizantes.

Conforme dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), as vendas totais das misturadoras que atuam no país atingiram o recorde de 31,082 milhões de toneladas no ano passado. Esse ritmo de incremento vem sendo relativamente constante na última década, e os resultados dos primeiros cinco meses de 2014 indicam que a tendência perdura. De janeiro a maio, as vendas somaram 10,295 milhões de toneladas, 8% mais que em igual intervalo do ano passado. Cerca de 70% dessa demanda é atendida por importações. (Colaborou Fernando Lopes)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3582086/marroquina-ocp-tera-fatia-de-ate-105-na-heringer#ixzz34QbJFqio

Fonte: Valor | Por Carine Ferreira | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *