Marfrig lança nova política para reduzir alavancagem

A Marfrig anunciou na segunda-feira à noite um aditivo ao acordo de acionistas, que estabelece uma política de gerenciamento de riscos de mercado. O objetivo é reduzir o índice de alavancagem da companhia, isto é, a relação entre sua dívida líquida e seu Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

Segundo a nova política, o conselho de administração e a diretoria da Marfrig, deverão fazer com que o índice de dívida líquida consolidada/Ebitda consolidado ajustado da empresa seja igual ou inferior a 2,5 vezes em 31 de dezembro de 2018 e a 3,5 vezes no encerramento de cada trimestre subsequente.

Em caso de descumprimento dessas métricas, a companhia não poderá distribuir proventos em valor superior ao dividendo mínimo obrigatório ou adquirir participações societárias que superem o montante de 10% do Ebitda consolidado ajustado para os 12 meses anteriores. A Marfrig também não poderá pagar remuneração variável aos executivos como bônus e/ou aumentar a remuneração fixa dos membros do conselho de administração e da diretoria.

Os investidores reagiram mal ao anúncio da nova política de riscos de mercado. Ontem, na B3, as ações da Marfrig recuaram 4,04%, para R$ 5,94.

A Marfrig encerrou o segundo trimestre de 2018 com um índice de alavancagem de 4,2 vezes. Mas com a venda da subsidiária Keystone, por US$ 2,4 bilhões, à americana Tyson Foods neste mês, a empresa espera que a relação dívida líquida/Ebitda consolidado ajustado caia para 2,2 a 2,5 vezes.

Por Fernanda Pressinott | De São Paulo

Fonte : Valor