Mapa revisa quadro para agilizar Suasa

Fonte: Correio do Povo

Ministério irá manter no Estado quatro servidores, número que poderá ser revisto com aumento de demanda
Crédito: micheli armanje / cp memoria

O Ministério da Agricultura (Mapa) está aumentando o número de auditores e coordenadores estaduais para acelerar o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi), que integra o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa). Conforme a Instrução Normativa nº 36, o Sisbi padroniza procedimentos de inspeção. O diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Mapa, Luiz Carlos Oliveira, conta que, conforme a necessidade, profissionais estão sendo realocados nas superintendências para melhor orientar as equipes dos órgãos estaduais e municipais envolvidas na fiscalização. No Estado, o superintendente do Mapa/RS, Francisco Signor, explica que a equipe de quatro servidores deve ser mantida até que haja maior demanda. Ele informa que agora será retomado contato com mais de 50 municípios que haviam pedido adesão ao Suasa e não conseguiram devido à divergência nas regras. O Mapa também irá formar, a partir de convênio com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), multiplicadores de informação.
Segundo Oliveira, um dos problemas enfrentados na versão anterior do Sisbi era a falta de conhecimento sobre regras federais, estaduais e municipais. "Muitos pediam equivalência, mas não sabiam como formalizar o processo." Signor explica que os municípios devem solicitar inclusão à superintendência que, após credenciamento, encaminha o processo para auditoria da Secretaria Estadual da Agricultura. Além disso, ele destaca que poderá ser solicitada auditoria prévia às superintendências, em caráter de orientação, para construir plano de trabalho, reunir documentação necessária e adequar procedimentos. Um dos objetivos é combater o abate clandestino, viabilizando a fiscalização em todos os estabelecimentos, independente de tamanho. "Atualmente, 40% do abate nacional está fora do serviço oficial", frisa Oliveira.
O RS foi liberado para aderir ao sistema neste mês. Já fazem parte Paraná, Bahia, Minas Gerais, Uberlândia (MG), Rosário do Sul (RS), Santa Cruz do Sul (RS) e Erechim (RS). Mais 50 cidades estão em processo de adesão. Conforme a normativa, após entrega da documentação, a análise para adesão não deve ultrapassar 60 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *