Lideranças demandam aumento de subsídio para o seguro rural

A arrecadação de prêmios de seguro rural alcançou quase R$ 4,6 bilhões no ano passado, enquanto a subvenção governamental prevista pelo Plano Safra em curso totaliza R$ 660 milhões. Há uma forte pressão das lideranças do setor agrícola e da bancada ruralista no Congresso para que a subvenção, por meio da qual o governo assume 35% do valor do prêmio, supere R$ 1 bilhão este ano.

Embora subsídios às expensas do Tesouro Nacional sejam opostos à filosofia liberal da equipe econômica, o argumento é o de que a subvenção evita gastos maiores com o salvamento de agricultores insolventes em decorrência de eventos climáticos adversos. "É mais barato bancar o seguro do que renegociar dívidas com recursos públicos", diz o head de agronegócios da Swiss Re, Gabriel Bruno de Lemos. Nos últimos 20 anos, houve cerca de 15 megaprocessos de renegociação de dívidas agrícolas, consumindo do Tesouro entre R$ 15 bilhões a R$ 20 bilhões.

Para um país que se pretende o celeiro do mundo, o Brasil gasta proporcionalmente muito pouco em subvenção de seguro rural comparativamente a outras potências agrícolas. Enquanto aqui o aporte foi equivalente na atual safra a US$ 107 milhões, a Índia gastou US$ 1,5 bilhão, a China, US$ 2,3 bilhões e os EUA, cerca de US$ 10 bilhões. O vice-presidente da Comissão de Seguro Rural da Federação Nacional dos Seguros Gerais (Fenseg), Daniel Nascimento, acredita que os recursos para a subvenção irão subir dos R$ 660 milhões liberados para a safra atual para algo perto de R$ 1 bilhão.

"O rural é o ramo de seguros que mais cresce. Evolui em taxas superiores aos segmentos de pessoas, patrimoniais e empresariais. Mas só fornece proteção para cerca de 13% da área plantada. A subvenção significativa é o caminho mais rápido para a massificação do seguro" diz o executivo. O juro médio cobrado hoje pelo seguro rural é de 6% ao ano.

Para o diretor de agronegócios do Santander, Carlos Aguiar, a existência de uma política governamental de concessões de pesados subsídios é fundamental para fazer deslanchar a cultura do seguro. "Nos EUA, a prática foi de oferecer seguro com subsídio elevado de forma localizada e de prazo mais curto até que fosse criado um volume de operações que tornou possível o barateamento e a retirada gradual da subvenção."

As lideranças agrícolas pleiteiam um aumento expressivo no volume de subvenção ao seguro rural também sob o argumento de que um produtor com cobertura poderá, no mercado de taxas livres, obter financiamento ao custeio por juros mais baixos dos que seriam cobrados se não tivesse seguro. "Não podemos fazer exigências que prejudiquem o agricultor. Se ele tomar o crédito oficial a 7% e nele incorporar uma taxa de seguro de 5%, seu custo final de 12% pode até superar os juros do financiamento privado", compara Aguiar.

Quem mais demanda seguro são os pequenos e médios produtores, sobretudo do Sul e Sudeste. No ano passado, nas safras de milho e soja, as seguradoras tiveram de arcar com uma sinistralidade superior a R$ 1 bilhão, pelas contas de Lemos, da Swiss Re, empresa que faz seguro agrícola em parceria com o Bradesco

As grandes empresas do agronegócio, por possuírem vastas fazendas, são as que menos contratam seguro de safra própria, pois uma perda sofrida no Sul poderá ser compensada por ganhos obtidos no Centro-Oeste. O agronegócio empresarial adere mais a uma outra modalidade, a apólice que cobre perdas futuras de faturamento decorrentes de oscilações internacionais de preços. Na Brasilseg, uma empresa BB Seguros, essa modalidade já representa 49% dos prêmios de seguros agrícolas para as culturas de soja, milho e café, segundo o seu superintendente de seguros rurais, Paulo Hora.

A procura por seguro rural, em suas diversas modalidades apresenta crescimento ininterrupto nos últimos 13 anos. Em 2006, representava 0,66% de todos os prêmios do mercado de seguro de danos. Em 2018, correspondeu a 4,27%. O valor indenizado avançou de R$ 24 milhões em 2006 para R$ 1,5 bilhão em 2018

Por Luiz Sérgio Guimarães | De São Paulo

Fonte : Valor

Compartilhe!