Leilão foi tiro forte, mas não provocou reação nas cotações

Escoamento da safrinha deve movimentar terminais intermodais e portos marítimos.

Escoamento da safrinha deve movimentar terminais intermodais e portos marítimos.

Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Autor: agro@gazetadopovo.­com.br

As 898 mil toneladas de milho negociadas em leilão da Conab na semana passada agora parecem pouco. O leilão de ontem chegou a 1,64 milhão de toneladas ou a 93,63% do volume ofertado. Os prêmios pagos aos negociantes — para garantia de preço mínimo aos produtores, num momento em que o mercado oferece menos que os custos — somaram R$ 65,3 milhões.

Com a liberação de R$ 95 milhões (incluindo o leilão da semana passada), devem ser retirados do mercado de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Piauí e Maranhão 2,54 milhões de toneladas do cereal. O volume é suficiente para encher 42 navios.

Saiba Mais

Mato Grosso é o principal beneficiado. Deve escoar 88% do volume que receberá prêmio equalizador (Pepro), ou 2,24 milhões de toneladas. Porém, mesmo com a pressão da oferta da safra de inverno aliviada, o mercado local não mostra reação. A saca de 60 quilos estava cotada ontem a R$ 10 em Sorriso, ante R$ 11,40 da quinta-feira anterior. Em Canarana, o preço subiu de R$ 12 para R$ 12,75, mas segue abaixo do mínimo (R$ 13,56). No Paraná, a cotação média oscila entre R$ 18,50 e R$ 19/sc, pouco acima do mínimo local (R$ 17,67).

Alvo central

88% do total de 2,54 milhões de toneladas de milho que estão sendo escoados com prêmio da Conab são de Mato Grosso. Os números referem-se aos dois primeiros leilões desta safra de inverno.

Fonte: Gazeta do Povo

Postado em 29 de agosto de 2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *