Laços estreitos com os fornecedores

Hans Jöhr: um dos desafios é identificar hoje quem é o produtor do futuro
Uma das maiores compradoras de produtos agropecuários do mundo, a suíça Nestlé não pode reclamar de monotonia nas negociações com seus fornecedores. Altas e baixas em mercados como leite, café e cacau, nos quais a atuação da multinacional tem grande repercussão, são a regra, e manter os padrões de qualidade das matérias-primas recebidas e as margens das operações em terreno positivo diante das oscilações, os desafios.

Em um parágrafo, talvez seja uma boa maneira de explicar a missão de Hans Jöhr, principal executivo da área de Agricultura da companhia. Mas as coisas não são tão simples assim, e a atual tendência de queda dos preços globais de commodities agrícolas e alimentos, aprofundada no ano passado, em tempos de dólar valorizado, não deixa Jöhr se esquecer no quão complexo pode se transformar o seu trabalho.

É sob seu guarda-chuva que está o programa "Farm Conect", por meio do qual a Nestlé administra a rede de 760 mil produtores dos quais compra matérias-primas agrícolas diretamente, sem a intermediação de tradings. E eles estão espalhados por 53 países, o que obriga Jöhr a passar dois terços do tempo longe de seu escritório na Suíça.

No início de abril, ele esteve no Brasil. Em português fluente – é casado com uma brasileira há mais de 15 anos -, Jöhr reconheceu em entrevista ao Valor que, atualmente, dos segmentos em que a Nestlé atua talvez o mais complicado seja o de lácteos, que mundialmente atravessa um período de oferta ampla e incertezas do lado da demanda, sobretudo na China.

O executivo lembrou que a Nestlé, maior compradora de leite cru do mundo, adquire metade de sua demanda diretamente de pecuaristas. Cinco mil deles estão no Brasil, onde a múlti também conta com 12 mil fornecedores indiretos. São mais de 2 bilhões de litros por ano no país, tirados de cerca de 1 milhão de vacas.

No relacionamento com os fornecedores em geral, realça o executivo, não são apenas as negociações de preço e qualidade que estão em jogo. Boas práticas agrícolas, sustentabilidade e capacitação também consomem tempo e dinheiro, uma vez que a Nestlé investe centenas de milhões de dólares todos os anos em programas de apoio nessas frentes.

"Os consumidores estão cada vez mais exigentes. Todos querem saber de onde vem o produto, como ele foi produzido e o que ele contém. Quem consegue responder a essas questões, conquista a confiança do cliente, e a maior dificuldade que temos no âmbito do ‘Farmer Conect’ é escolher produtores com essa visão", afirma Jöhr.

Outro desafio é a fidelização dos fornecedores, complicada seja em tempos de bonança ou de vacas magras. Não só para garantir o abastecimento hoje, mas também no longo prazo. "Se quisermos ter matéria-prima de qualidade, temos que saber quem serão os produtores do futuro. Reter jovens talentos no mundo rural é fundamental".

Agrônomo com especialização em, Jöhr conta, para esse trabalho, com uma equipe de mais de 1,3 mil agrônomos, veterinários e zootecnistas. Com alguns deles, o executivo, durante sua passagem pelo Brasil, visitou produtores de cacau na Bahia, cafeicultores no Espírito Santo e pecuaristas no interior do Estado de São Paulo.

Por Fernando Lopes | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *