Lagarta pode causar prejuízo de R$ 1 bi em cooperativas de SP, alerta Sescoop

Praga ainda não foi identificada, mas suspeita-se de helicoverpa armígera

agricultura_lagarta_helicoverpa_praga (Foto: Editora Globo)
Segundo o Sescoop, existe a suspeita de que praga que ataca lavouras paulistas seja helicoverpa (Foto: Editora Globo)

Uma lagarta ainda não identificada está atacando lavouras de cooperativas do estado de São Paulo. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (18/12) pela divisão paulista do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/SP).

De acordo com a consultora de Desenvolvimento de Mercados do Sescoop/SP, Flávia Maria Sarto de Oliveira, pelo menos seis cooperativas relataram casos de ataque. E, segundo ela, existe a suspeita de que possa ser a helicoverpa armígera, que, oficialmente, ainda não teve casos confirmados em lavouras paulistas.

Flávia calcula que o prejuízo pode chegar a R$ 1 bilhão. O cálculo é baseado no Valor Bruto da Produção dos municípios do entorno das cooperativas e em estimativas de 60% de perdas, feitas pelas próprias entidades.

Ela contou que a lagarta começou a ser encontrada no começo do ano em lavouras de feijão. “Mas, na época, como ainda não havia essa movimentação toda por causa da helicoverpa, ainda não se falava de uma lagarta diferente, os produtores não tomaram providências.”

Com o início da safra de soja, disse ela, a ocorrência foi maior e os agricultores ficaram mais alarmados. Ela informou ainda que amostras foram enviadas para análise ao laboratório de biologia molecular da Universidade de Campinas (Unicamp).

“Vamos aguardar os resultados dessa análise. Se for detectada a helicoverpa, vamos contatar a Secretaria da Agricultura para saber como será o procedimento, que tipo de controle será feito”, informou.

Enquanto aguarda os laudos, a orientação do Sescoop é a de que as cooperativas que tiveram lavouras atacadas coletem exemplares da praga para serem analisados.

Fonte: Globo Rural | Por Raphael Salomão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *