Lagarta falsa-medideira traz preocupações para soja

A praga já pode ser considerada a principal das últimas safras

por Globo Rural On-line

Daniel Sosa Gomez/ Divulgação/ Embrapa

Daniel Sosa Gomez / Divulgação/ Embrapa

A lagarta falsa-medideira (Pseudoplusia includens), sempre caracterizada como praga secundária na cultura da soja, passou a ser considerada praga principal nas últimassafras. No ciclo 2011/2012, ocorreram veranicos e altas temperaturas, principalmente a partir do início de fevereiro, o que segundo os pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) são favoráveis para a ocorrência da explosão populacional da praga.
"Além disso, a aplicação exagerada de inseticidas sem critério técnico, no início do desenvolvimento da soja, afeta negativamente as populações dos inimigos naturais", explica a pesquisadora Clara Beatriz Hoffmann, da Embrapa Soja. Para ela, as populações da lagarta falsa-medideira eram controladas naturalmente por seus inimigos naturais, principalmente por parasitóides, como as vespinhas (Copidosoma sp). Outro problema apontado pela pesquisadora é o uso de fungicidas não seletivos para o controle da ferrugem asiática da soja. “É importante realizar o monitoramento das pragas com o auxílio do pano-de-batida e aplicar o inseticida apenas quando for necessário (30% de desfolha no vegetativo ou 15% de desfolha no reprodutivo)”, aconselha o pesquisador Adeney Freitas Bueno, da Embrapa Soja.
Os especialistas da Embrapa explicam que esta lagarta tem hábito diferente da lagarta-da-soja, que sempre foi considerada uma praga principal para a cultura. "A lagarta falsa-medideira é mais tolerante a inseticidas e para o seu controle necessita de doses de duas a quatro vezes maiores. Ela se alimenta de folhas da parte mediana da planta e ocorre no período reprodutivo da soja”, complementa Bueno. Outro ponto destacado pela Embrapa no manejo da lagarta falsa-medideira são as temperaturas elevadas, acima de 30ºC, e a umidade abaixo de 60%, que aumentam a evaporação dos produtos químicos, dificultando o controle. Sugere-se controlar as lagartas durante a madrugada, quando as temperaturas são mais baixas.

Fonte:  Globo Rural

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.