La Niña deverá reduzir safra brasileira em 2012

Segundo IBGE, produção de GRÃOS deste ano deverá cair para 158,7 milhões de toneladas, 0,7% inferior a 2011

Rio – O fenômeno La Niña deve ser o grande vilão da safra de GRÃOS este ano, que vai cair para 158,7 milhões de toneladas, 0,7% inferior a de 2011. A redução seria mais forte, não fosse projeção de área plantada recorde para este ano, de 50,6 milhões de hectares.

Problemas de estiagem no Sul e chuvas fortes no Nordeste, causadas pela forte alteração climática do La Niña, vão atingir em cheio as produções de soja e de milho, mais de 80% do total da safra, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A soja deve atingir 70 milhões de toneladas este ano, 6,4% abaixo de 2011. Já a estimativa de milho primeira safra é de 34,2 milhões de toneladas, apenas 0,2% acima de 2011, mesmo com área plantada 7,8% superior.

A seca no Sul foi tão intensa que a produção de soja no Rio Grande do Sul deve cair 28,9% em 2012 ante o ano passado. O milho, por sua vez, deve ter produção 45% inferior na comparação com 2011. A seca afetou mais o milho do que a soja, ressaltou o gerente da Coordenação de Agropecuária do IBGE, Mauro Andreazzi.

Isso deve abrir espaço para outros estados. Os produtores do Mato Grosso, após colheita da soja, normalmente plantam milho segunda safra – e utilizam em torno de 30% do total de área destinada à soja, para tal. Este ano, eles devem plantar 50% da área da soja (com milho), afirmou Andreazzi, acrescentando que há uma corrida no Mato Grosso por sementes, que começam a faltar. A reversão da queda na estimativa de safra para este ano não é impossível, na análise de Andreazzi. Muitas culturas ainda estão por vir, como as de segunda e terceira safras.

Mas além de soja e de milho, outras culturas prosseguem com sinais negativos. Com menor produção, influenciada por preços em baixa, arroz e feijão devem ficar mais caros este ano no mercado doméstico. No caso do arroz, a produção deve cair para 11,4 milhões de toneladas, 14,9% inferior a de 2011. Já o feijão em grão primeira safra deve somar 1,8 milhão de toneladas, 9% inferior a 2011.

Na contramão das principais culturas, as produções de algodão e de café devem ser recordes este ano, favorecidas por recuperação de preços. No caso do algodão, a produção deve alcançar 5,1 milhões de toneladas este ano, 1,5% acima de 2011. O café deve somar 2,9 milhões de toneladas, 10,8% superior a 2011.

CONAB

Dados da COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB), também apontam que a seca prolongada na Região Sul do País fez com que o quinto levantamento da safra 2011/2012 apresentasse uma redução ainda maior em relação ao volume de GRÃOS colhidos no ciclo anterior, que atingiu o recorde de 162,95 milhões de toneladas. A pesquisa atual, divulgada ontem, indica uma queda de 3,5%, ou 5,7 milhões de toneladas, resultando na previsão de uma colheita final de 157,2 milhões de toneladas. Em relação ao último levantamento, publicado há um mês, a estimativa sofreu uma redução de 0,88%, ou 1,379 milhão de toneladas, porque ainda não tinha sido contabilizada grande parte da perda dos produtores na Região Sul.

Fonte: REVISTA CAFEICULTURA  | Alessandra Saraiva | Agência Estado | Folha de Londrina

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.