Justiça dos EUA ordena suspensão do clorpirifós (DECISÃO)

O Tribunal Federal de Recursos da cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, ordenou que a Agência de Proteção Ambiental (EPA) tem 60 dias para retirar o pesticida clorpirifós do mercado. O tribunal afirmou que existem amplas evidências científicas" que indicam que mínimas exposições ao defensivo podem causar danos nos cérebros de bebês.

A decisão foi baseada em um estudo de 2012 da Universidade da Califórnia em Berkeley, que indicou que 87% das amostras de sangue extraídas de cordões umbilicais de recém-nascidos continham níveis de clorpirifós. Além disso, os realizadores do estudo disseram que traços do defensivo foram encontrados em fontes de água potável em locais que o uso não era controlado.

O pesticida é um dos mais usados nos EUA para o controle de pragas, sendo comercializados cerca de 2,3 milhões de quilos pela Dow AgroSciences. O uso do defensivo na agricultura tinha sido banido no governo Obama, mas acabou sendo aprovado depois que Trump assumiu o comando do país.

Quando vários procuradores-gerais de alguns estados dos EUA moveram ações contra a EPA, para que retirasse o produto de circulação, a Agência garantiu que os estudos que pretendem confirmar que o clorpirifós é danoso à saúde humana são "inconclusivos e imperfeitos". Nesse cenário, a EPA diz que nenhum dano real conseguiu ser comprovado até agora pela ciência.

A Dow Chemical, desenvolvedora do produto, poderá recorrer da decisão na justiça norte-americana, no entanto, a Suprema Corte dos EUA só aceita julgar em torno de 100 casos por ano e, só em 2018, milhares já foram apresentados.

Fonte: AgroLink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *