Justiça decreta falência do Mondelli

Envolvido em uma disputa familiar e em meio a um conturbado processo de recuperação judicial, o frigorífico paulista Mondelli teve a falência decretada pela juíza da 1ª Vara Cível do Fórum de Bauru no último dia 19 de dezembro.

Na decisão, a juíza Rossana Curioni Mergulhão informou que "não há mais condições jurídicas e econômicas de se tentar uma recuperação judicial". Além disso, a juíza disse que, desde fevereiro de 2012, quando o pedido de recuperação foi feito, os principais interessados – os acionistas – em recuperar a empresa "assim não deixaram transparecer", deixando de apresentar documentos à época do pedido e também apresentando plano de recuperação "lacunoso".

Por conta do recesso da Justiça, acionistas da companhia só souberam da decretação da falência no fim da semana passada, segundo Constantino Mondelli Filho, que pretende entrar com um agravo de instrumento para reverter a decisão. Antes da decisão, o empresário travava uma batalha judicial para voltar a comandar o frigorífico, de onde está afastado desde agosto de 2013 por determinação da Justiça.

Mondelli Filho e outros familiares que estavam na direção do frigorífico foram afastados pela juíza a pedido do administrador judicial Fernando Borges, que alegou que a direção do Mondelli havia cometido diversas fraudes, como saques "eivados de dúvidas quanto ao efetivo destino", o não pagamento de um empréstimo a um dos sócios, bem como a exploração de uma fazenda por parte dos sócios sem a devida compensação ao frigorífico.

Ocorre que, em fevereiro do ano passado, o inquérito instaurado pela polícia para apurar as denúncias concluiu que "não ficou configurada nenhuma infração penal", o que levou Mondelli Filho a pedir seu retorno à direção da companhia.

O empresário também questionou diversas vezes as decisões da juíza e do administrador judicial, que teriam beneficiado a Hapi Comércio Alimentício, maior credora do Mondelli e gestora da empresa desde que a direção do frigorífico foi afastada. A Hapi pertence ao ex-cunhado de Mondelli Filho, Charles Leguille.

Em processo judicial, o empresário alegou que Leguille teria simulado a separação com sua irmã, Giovanna Mondelli, para evitar ficar com o passivo tributário, caso o Mondelli seja vendido para a Hapi. O frigorífico deve R$ 12 milhões à Hapi. Ao todo, a dívida da recuperação do Mondelli é de R$ 65 milhões. Nos áureos tempos, a empresa chegou a faturar R$ 350 milhões ao ano.

Agora, com a falência da empresa, a juíza determinou que a Receita Federal emita um novo CNPJ "destinado às operações comerciais" da empresa em regime de continuidade de negócios. A Hapi continua como gestora do Mondelli e Fernando Borges é o administrador da massa falida.

Procurado pelo Valor, Borges não atendeu aos telefonemas da reportagem. Leguille, da Hapi, informou que só Borges poderia dar informações. Em férias, a juíza Rossana Mergulhão não foi localizada.

Fonte: Valor | Por Luiz Henrique Mendes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.