Judiciário também já reprovou

Ivonaldo Alexandre/Valor / Ivonaldo Alexandre/Valor
Desembargador do TRT-PR Ricardo Tadeu Marques da Fonseca: "O que contou foi o meu currículo"

Reprovado por ser cego em exame médico de concurso para a magistratura trabalhista, realizado na década de 90, em São Paulo, Ricardo Tadeu Marques da Fonseca não precisou ir à Justiça para alcançar seu objetivo. Conseguiu uma vaga no Ministério Público do Trabalho (MPT) e, depois de 17 anos de atuação como procurador em Campinas (SP) e em Curitiba, foi escolhido pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio do quinto constitucional, para ocupar o cargo de desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Paraná. "O que contou foi o meu currículo", diz o agora desembargador. "Não foi uma ação afirmativa."

A posse de Fonseca como desembargador, em 2009, contou até com a presença de Lula e do então presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto. Para o magistrado, foi a realização de um sonho, aos 50 anos, e um resposta contra a discriminação. "Pessoa com deficiência era vista como uma pessoa diferente. A princípio, duvidava-se de sua capacidade", afirma o magistrado, lembrando que no ano de sua posse o Brasil promulgou a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. (AR)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/3059918/judiciario-tambem-ja-reprovou#ixzz2OeJ6eHni

Fonte: Valor | Por De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *