J&F aciona escritórios de advocacia nos EUA

A holding J&F, que controla a JBS, ajuizou nos EUA uma ação indenizatória contra os escritórios de advocacia Trench, Rossi & Watanabe e Baker & Mackenzie. A ação foi protocolada na esfera civil, na corte superior do distrito de Colúmbia. A J&F acusa os escritórios, especializados em direito societário, de negligência grave na condução das negociações de sócios e diretores do grupo (Joesley e Wesley Batista e Ricardo Saud, entre outros) firmadas em 2017 com a Procuradoria-Geral da República.

Na ação, a J&F é representada pelo escritório americano Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan. A empresa questiona o fato de o então procurador da República Marcello Miller, que atuava na PGR sob a chefia de Rodrigo Janot, ter sido contratado como sócio pelo Trench, Rossi & Watanabe enquanto ainda estava ligado ao Ministério Público Federal. A ação aponta ainda que não houve a adoção de medidas para evitar que a participação de Miller na negociação das delações fosse considerada ilegal, com risco de prejudicar os interesses da J&F.

A J&F quer indenização por danos financeiros e de imagem sofridos pelo grupo. A medida faz parte da estratégia de tentar preservar o acordo de delação premiada de seus sócios e executivos. No Brasil, Marcello Miller é alvo de investigação sob suspeita de ter agido como um "agente duplo", negociando as delações simultaneamente à negociação de sua participação societária no Trench, Rossi & Watanabe. Ele nega ter cometido irregularidades. O episódio levou ao desligamento da advogada Esther Flesch do escritório, onde chefiava a área de compliance.

Por André Guilherme Vieira e Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Fonte : Valor