Integrados começam a deixar a Diplomata

A crise da Diplomata no Sul do país ganhou novos contornos ontem. Com a manutenção do atraso de até 120 dias no pagamento, produtores começaram a suspender o alojamento de aves destinadas ao abate em Capanema (PR). Dos 440 integrados da região, 30% teriam parado de alojar ou estariam negociando a migração para concorrentes. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de Capanema, João da Silva, os integrados estão desesperados. "Fizeram investimentos e os bancos não querem nem saber. Cobram igual", diz o dirigente.
De acordo com o coordenador da Fetraf-Sul em SC, Alexandre Bergamin, catarinenses e gaúchos que fornecem para a unidade de Xaxim também estariam negociando com outras empresas. Ontem, a Fetraf-Sul adiou para a semana que vem a reunião como criadores em Chapecó (SC). O movimento decidiu aguardar pelo resultado de uma assembleia de funcionários da planta em Capanema, na qual os 1,2 mil empregados decidem hoje se entram em greve devido ao atraso de salários. "A situação é critica", afirma Claudemir Orsolin, diretor do Sindicato da Indústria da Alimentação de Capanema.
Em Xaxim, além do problema com os integrados, haveria pendências com fornecedores e transportadores. Segundo Bergamin, há interessados na compra da unidade, mas o fato da Diplomata estar devendo aluguel atrapalharia a negociação. No RS, o presidente da Fetag, Elton Weber, acompanha a situação de atrasos da Minuano, em Lajeado, e da Nicolini, em Garibaldi e Nova Araçá, que afetariam 300 integrados. Segundo Weber, nos últimos dias, as empresas pagaram parte dos lotes e quitaram parcelas com pré-datados para 30 e 60 dias. As empresas não deram retorno ou não foram localizadas.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *