INFORME RURAL | THIAGO COPETTI (INTERINO)

 

  • É a hora para o produtor colher juros menores

    Capitalizado pela safra passada e com boas perspectivas de obter uma colheita ainda melhor na temporada 2013/2014, o produtor rural deve começar a desfrutar, também, de um melhor cenário financeiro. O anúncio de que a Caixa Econômica Federal ampliou suas linhas de crédito rural, segmento onde passou a atuar há apenas um ano, chama a atenção para as oportunidades que se abrem ao agricultor. É hora de negociar melhores taxas com o seu banco, brigar por juros menores e prazos maiores.
    É como se o campo começasse a desfrutar agora do mesmo movimento de queda nos juros para pessoas físicas (especialmente no cheque especial) iniciado pelos bancos públicos federais, no início do ano passado. Em abril de 2012, quando a taxa básica de juros ficou abaixo de 10% sem a respectiva redução do crédito aos correntistas, o governo federal utilizou a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil para forçar a concorrência a reduzir os juros, avalia o economista Alfredo Meneghetti Neto, da Fundação de Economia e Estatística e professor da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS).
    – Neste momento, o produtor deve estar consciente de que ele tem ao seu dispor condições de negociar taxas inferiores. Em geral, menores do que 2%. E deve ficar atento às armadilhas do mercado. Nesse caso, a palavra-chave para observar é taxa: de renovação de contrato, de administração e outras. É aí que se concentra o segredo de um bom e um mau contrato – recomenda Meneghetti.
    E como a fartura no campo deve ser ainda maior na temporada 2013/2014, o agricultor pode regatear maiores benefícios lembrando ao seu gerente de banco que no próximo ano ele estará novamente capitalizado e com uma supersafra em vista. Há cuidados, porém, que sempre valem ser adotados, como ser realista no valor do empréstimo que será pedido. Também não se prenda ao banco em que já tem conta e não tenha pressa. Antes e fechar um contrato, esgote todas as possibilidades.
    Ainda é possível se inscrever em uma interessante iniciativa que une Federação da Agricultura (Farsul), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e diferentes empresas e entidades. Amanhã, sob comando do Clube da Irrigação, ocorre em Seberi, no norte do Estado, o Tour Verde. No encontro serão apresentados ao produtor as técnicas e as tecnologias que levam o clube a conseguir, por exemplo, produtividade de 320 sacas de milho em 17 hectares cultivados em uma área experimental.
    – A média do Estado é de até 80 sacas. Em uma área irrigada, se consegue 170 sacas. E nós mostramos que, com manejo e tecnologia corretos, é possível colher mais de 300 sacas – explica João Augusto Telles, coordenador do clube e presidente da comissão de irrigantes da Farsul.
    Neste ano, pela primeira vez em quatro anos de existência do grupo, também se está testando os impactos desse plantio de ponta com a soja. Quem se interessou em participar do Clube da Irrigação ou do Tour Verde pode se inscrever pelo telefone (51) 3215-7584.

  • 8%

    é a área estimada já cultivada no plantio da safra de soja 2013/14 no país. O ritmo do trabalho não está muito distante dos 9% de um ano atrás, conforme levantamento da Consultoria AgRural.

  • Investimento em Venâncio Aires

    O Frigorífico Kroth, dos irmãos Fábio e André Kroth, anunciou investimento de R$ 8 milhões na unidade que mantém em Venâncio Aires. A intenção é expandir a venda de carnes para o mercado nacional. Um relatório de projetos, fotos e carta de intenções será entregue ao governo gaúcho nos próximos dias. Com a confirmação do investimento, a empresa espera assegurar que o governo do Estado realize o asfaltamento de seis quilômetros da estrada principal da localidade de Santa Emília. O frigorífico emprega em torno de 150 pessoas e abate aproximadamente 5 mil cabeças de gado por mês.

  • Demarcações indígenas no Estado vistas de perto

    O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deve vir ao Rio Grande do Sul na próxima semana para ver de perto a situação de municípios sob assédio de demarcações de terras de indígenas. A informação foi divulgada pelo secretário de Desenvolvimento Rural, Ivar Pavan, após reunião realizada na noite de ontem, em Brasília.
    O primeiro encontro do ministro com representantes da agricultura familiar gaúcha foi promessa de Dilma Rousseff diante dos protestos, na sexta-feira, em Novo Hamburgo.

  • O novo presidente Associação dos Fiscais Agropecuários do RS é o médico veterinário Antônio Augusto Medeiros, que permanece no comando da entidade até 2015.
    Colaborou Rodrigo Saccone

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *