INFORME RURAL | THIAGO COPETTI (INTERINO)

 

  • Cautela é a melhor arma contra a praga

    A presença da Helicoverpa armigera no Estado está levando ao campo um batalhão de agrônomos e outros profissionais ligados a questões fitossanitárias, agora que a lagarta foi detectada em mais nove cidades. Hoje, por exemplo, começam a pegar a estrada rumo ao Interior cerca de 30 servidores só da Secretaria Estadual da Agricultura. Eles seguem para as principais regiões produtoras de soja, onde participarão de encontros com produtores, sindicatos rurais e outras entidades. O trabalho é basicamente falar, falar e falar, repetindo exaustivamente qual é a melhor forma de combater a praga: monitorar e só usar inseticida na forma e nos casos recomendados.
    Conversar para esclarecer o sojicultor sobre o uso de inseticida, por sinal, será uma estratégia cada vez mais necessária. Concluído ontem pelo pesquisador Jerson Guedes, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o relatório das novas análises de amostras de mariposas recolhidas em armadilhas espalhadas por lavouras gaúchas será encaminhado hoje para o Ministério da Agricultura
    – O resultado deu positivo para mais nove cidades – antecipa o pesquisador, que já confirmou a presença da mariposa da Helicoverpa armigera em 15 cidades gaúchas entre as 47 monitoradas no Rio Grande do Sul.
    Diretor de defesa vegetal da Secretaria Estadual da Agricultura, José Candido Motta passou a última semana circulando por diferentes municípios gaúchos e avalia que o produtor gaúcho, em geral, tem seguido o que é recomendado pelos técnicos.
    – Estamos nos reunindo com o máximo de produtores para deixar claro que, com monitoramento e atenção às indicações técnicas, a praga é plenamente controlável. Não estamos em situação preocupante. A lagarta se desenvolveu em outras regiões do país por condições que não ocorrem aqui. O uso de inseticida não é solução. Tanto que, mesmo onde foi autorizado o benzoato de emamectina, o produto não foi utilizado. Pelo menos não há registro, até agora, de nenhuma compra legalizada do produto – avalia Motta.
    Quem também percorreu o Estado de leste a oeste com a caravana contra a lagarta, na semana passada, foi o entomologista Paulo Pereira, da Embrapa Trigo, de Passo Fundo. Ao contrário do diretor de defesa vegetal do governo do Estado, ele avalia que o produtor tem utilizado inseticidas demais e na hora errada.
    – Tem gente fazendo coisas absurdas. O produtor tem que ter calma. Alguns mal ficaram sabendo da presença da lagarta no Estado e já saíram aplicando inseticidas – alerta Pereira.

  • 116

    novos servidores tomam posse, amanhã, no Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). As nomeações são comemoradas dentro e fora do entidade: há 40 anos não era realizado concurso para o Irga.

  • As bonitonas e o pulverizador da Stara

    Chegava perto de 1 milhão de visualizações, na noite de ontem, o clipe lançado na última terça-feira pela indústria de implementos agrícolas Stara, de Não-Me-Toque.
    O clipe mostra um produtor que compra o equipamento da indústria e, na cabine da máquina, impressiona um grupo de garotas, que deixam um bar para dançar em cima do pulverizador e até na lavoura.Usando shorts e botas, elas disputam a atenção com o astro do comercial: o pulverizador de barras fixas Imperador. Haja marketing.

  • Receita e empregos extras

    Oito meses depois de adquirir o frigorífico Frinal, de Garibaldi, Erasmo Carlos Battistella lança hoje a nova identidade visual da empresa.
    Mais do que isso, apresenta ao mercado reluzentes números. O faturamento de R$ 138 milhões registrado no ano passado deve encerrar 2013 superando R$ 200 milhões.
    O avanço se deu com implantação de um turno extra, aumento da capacidade de abate de 88 mil aves por dia para 120 mil, e contratação de 425 pessoas para o quadro de funcionários que agora soma 1.270.
    – Para 2014, a meta é ampliar o mix de produtos, especialmente na linha de comidas pré-prontas. Temos bons espaços para crescer no mercardo interno, como as grandes redes de supermercado. Mas sem deixar de investir nas exportações – afirma Batistella, que não descarta novas contratações pela indústria ao longo do ano.

  • – Foi animado o final de semana na comunidade de Lajeado Cerne, em Santo Ângelo. Ontem, 2 mil pessoas festejaram na localidade a última fase regional dos Jogos Rurais Sol a Sol, promovidos no noroeste gaúcho há 32 anos. A competição teve disputas em 65 categorias de modalidades como voleibol, futebol, bocha, chute de pênalti, corrida do saco, debulha de milho, corte de lenha e até tricô.

  • O leilão da Rincão da Figueira, Monte Claro, Terra Costa e convidados alcançou faturamento de R$ 814 mil com a venda de 43 lotes da raça crioula, na noite de sexta-feira.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *