INFORME RURAL | GISELE LOEBLEIN

 

  • Tem gosto de quero mais

    Com produção crescendo no Estado nos últimos 10 anos e cenário de clima e preço competitivo, a noz-pecã tornou-se uma boa opção no campo como fonte de geração de emprego, renda e motivação.
    O último levantamento feito pela Emater indica que há cerca de 1,7 mil hectares de nogueira pecã plantados em solo gaúcho, sendo Cachoeira do Sul (foto acima), Rio Pardo e Anta Gorda os principais produtores. Mas como um pé da fruta demora cerca de 25 anos para alcançar produção plena e muitas árvores são novas no Estado, a produtividade ainda é baixa.
    Em 2011, a produção foi de cerca de 1,3 mil toneladas de noz-pecã, média inferior a uma tonelada por hectare. Nos Estados Unidos, a produtividade chega a 2,5 toneladas por hectare.
    A produção gaúcha atende a demanda interna e de fora do Estado. Pesquisas indicam que o Brasil chega a importar até 90% das nozes consumidas.
    Um indicativo de que há um nicho importante a ser explorado pelos agricultores gaúchos, observa Antônio Conte, assistente técnico estadual em fruticultura da Emater.

  • Um caminho sem volta

    Quando determinada demanda para a produção surge a partir do mercado, entramos em um caminho (neste caso, bom) sem volta. É o que ocorre com a certificação de armazéns. Hoje obrigatória no país apenas para as unidades de pessoas jurídicas que prestam serviços a terceiros, deve se transformar em um grande diferencial, uma espécie de selo de garantia. A curto ou médio prazo, as mais de 4,8 mil unidades cadastradas no Estado (veja abaixo) certamente buscarão a qualificação.
    – É uma forma de modernizar a atividade, com padrões de qualidade reconhecidas pelo mercado interno e externo – afirma Rafael Borges Bueno, superintendente de Armazenagem da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que participou da 43ª etapa do Fórum Permanente do Agronegócio, realizada ontem na Capital.
    A certificação exigida pela Conab permite às cooperativas, aos cerealistas ou aos produtores buscar uma alternativa de renda ao estocar a produção comprada pelo governo – já que são remunerados para fazer isso.
    – O Plano de Armazenagem do governo federal está atrelado à certificação, que poderá vir a ser cobrada de pessoas físicas também – completa Bueno.
    Para fazer frente ao déficit existente de armazenagem no Brasil, o governo planeja incluir um incentivo no Plano Safra – hoje já existem financiamentos disponíveis –, que deve ser anunciado até o fim de maio.
    Sobre a certificação, as vantagens extrapolam o simples cumprimento de regras. A qualificação do processo reduz perdas, melhora a imagem para os compradores e traz economia.
    – Além de uniformizar procedimentos, poderão ser reduzidos custos dos processos – destaca José Alcindo de Souza Ávila, superintendente da Casa Rural, Centro do Agronegócio, do sistema Farsul.

  • Nacional, mas com um toque gaúcho

    O serviço de assistência técnica e extensão rural deve ganhar uma versão nacional em no máximo 40 dias. Foi o que afirmou ontem o ministro do Desenvolvimento Agrário, o gaúcho Pepe Vargas.
    Ainda sem nome, a agência nacional a ser criada terá uma atuação nos mesmos moldes das entidades estaduais hoje já existentes, como a Emater. Recebendo os últimos retoques, o projeto deve ser encaminhado à presidente Dilma Rousseff – que havia mencionado a ideia de criar a agência no lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2012/2013 – já nos próximos dias.

  • Tendência de alta no valor de referência

    A projeção do Conselho Estadual do Leite (Conseleite) indica que o valor de referência para o leite tipo padrão deve ficar em R$ 0,7492 no mês de abril. A quantia é 3% superior ao anunciado por indústria e produtores de leite para o mês de março, R$ 0,7274.
    O Conseleite se reúne novamente no dia 21 de maio. Na reunião de ontem, o presidente do Sindilat-RS, Wilson Zanatta, assumiu o comando do conselho por um período de dois anos. Ele substitui Jorge Rodrigues, da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), que representava os produtores.

  • CURTAS

    – A nova diretoria da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Abimaq tomará posse na próxima segunda-feira, durante o primeiro dia da Agrishow 2013, em Ribeirão Preto (SP). Gilberto Zancopé, sócio-fundador da Montana Agriculture, assume o comando da entidade até 2015, substituindo Celso Casale.
    – A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) realiza no próximo dia 2 mais dois leilões para a venda de 72,34 mil toneladas de trigo em grão e ensacado. São estoques disponíveis em armazéns dos Estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

Fonte: Zero Hora | Colaboraram Joana Colussi e Vanessa Kannenberg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *