INFORME RURAL | GISELE LOEBLEIN

Falha de energia também afeta produção rural

Com a onda de calor, a face mais evidente das interrupções no abastecimento de energia aparece nas cidades, como o apagão que atingiu parte do Estado ontem.
Mas o campo também sofre com falhas de eletricidade – por diferentes motivos. Os efeitos são sentidos por setores distintos e igualmente importantes. Produtores de arroz, que dependem do funcionamento dos equipamentos de irrigação para garantir os bons resultados da lavoura, vêm tendo impacto na produtividade por conta de problemas no serviço.
Os relatos eram tantos que o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros, Henrique Dornelles, cobrou providências do Operador Nacional do Sistema Elétrico e também da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado. Nesta semana, Dornelles, que é produtor em Alegrete, tem sentido o impacto na pele, depois que a queda de postes levou à interrupção no fornecimento de eletricidade.
– Vou para o segundo dia sem energia. Isso pode comprometer toda a lavoura – contou, ontem.
Falhas no abastecimento também são motivo de preocupação para os produtores de frango. As aves são extremamente sensíveis às altas temperaturas porque enfrentam maior dificuldade em perder calor.
A falta de energia faz com que os sistemas de climatização – ventilação e exaustão – dos aviários deixem de funcionar. Os termômetros sobem tanto que, às vezes, os animais acabam morrendo. No final do mês passado, o desligamento ocasionado pela queima de um transformador levou à perda de 18 mil frangos em Marau, no norte do Estado.
Na pecuária de leite, a eletricidade tem papel importante – resfriadores dependem de energia para manter o alimento na temperatura adequada. Serviço precário pode levar a perdas no volume de produção, o que faz o agricultor perder dinheiro e o consumidor gastar mais.

Uva para mais de metro

Os organizadores da 30ª Festa Nacional da Uva, realizada em Caxias do Sul, querem conquistar pela boca os cerca de 800 mil visitantes esperados para o evento. Durante os 18 dias da festa, 300 mil quilos da fruta serão distribuídos gratuitamente dentro do parque Mário Bernardino Ramos e também nos desfiles. Do total, 60 mil quilos já estão em refrigeradores. A ideia é ter à disposição, na abertura, 200 mil quilos – geladinhos.
– Pagamos R$ 1,60 pelo quilo comprado para a degustação, acima do preço mínimo da uva – conta Edson Néspolo, presidente da Festa da Uva.
Outra boa notícia para os produtores é que 30 deles, premiados em competições, serão contemplados com uma viagem para Mendoza, tradicional região de produção de uvas na Argentina.
Neste ano, o evento, que vai de 20 de fevereiro a 9 de março, teve orçamento de R$ 17 milhões e contará com participação recorde de 318 expositores.
A produção de uva em Caxias abrange contingente ainda maior: são 1,6 mil famílias que se dedicam ao cultivo dos parreirais. Com 3,8 mil propriedades rurais, o município da Serra também é referência na produção de outros itens, como hortaliças.

O crédito liberado para a agricultura empresarial entre julho e dezembro do ano passado cresceu 50,8% em relação a igual período de 2012, somando R$ 91,2 bi, segundo o Ministério da Agricultura.

Até R$ 60 milhões para financiar a safra

A Cooplantio começa a utilizar nova modalidade de financiamento por meio dos Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). A iniciativa permitirá captar até R$ 60 milhões neste primeiro ano.
Com esses recursos, a cooperativa consegue um meio alternativo às tradicionais linhas de crédito para aplicar na compra de insumos, depois repassados aos associados – que, por sua vez, pagam a prazo.
– É uma nova fonte de financiamento, que veio para ficar – aposta Daltro Benvenuti, presidente da Cooplantio.
O grande parceiro da cooperativa nesta iniciativa é o Rabobank, principal investidor na operação.

A reforma da política agrícola dos Estados Unidos foi aprovada ontem pelo Congresso americano. Entre as mudanças, o fim dos pagamentos diretos aos produtores.

Começa hoje, em Porto Alegre, o Seminário da Juventude Rural e Agricultura Familiar. O evento será realizado no Hotel Embaixador e continua amanhã. A expectativa é de que 450 jovens de diferentes regiões do Estado participem.

Fonte : Zero Hora