INFORME RURAL

 

  • Tentativa de negociação

    Em meio à polêmica da cobrança dos royalties pela tecnologia RR1 da Monsanto, a empresa disponibilizou no estande na Expodireto Cotrijal uma central para os agricultores interessados em assinar acordos para a suspensão do pagamento pela tecnologia da soja.
    Enquanto corre na Justiça a discussão sobre a validade da patente, que teria vencido em 2010 conforme decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Monsanto – que defende a validade da patente até 2014 – adiou a cobrança, ou seja, espera o desfecho judicial para voltar a cobrar ou não dos produtores que não assinaram o acordo.
    Sem informar a quantidade, o gerente Regional de Soja para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Tales Pezzini, informa que a procura de informações pelos agricultores para assinar o acordo é grande no estande.
    – Queremos minimizar as discussões políticas porque o agricultor está mais preocupado em produzir do que entrar em discussões jurídicas – afirma Pezzini.

  • Caça às máquinas

    No sentido figurado, um passeio no parque é sinônimo de paz, tranquilidade e facilidade. Na Expodireto Cotrijal, esse mesmo passeio no parque exige paciência e perseverança para fechar o melhor negócio.
    De Boa Vista do Cadeado, no noroeste gaúcho, o produtor de soja, milho e trigo Elio José Casarin (foto) “bateu perna” desde as 9h30min até as 17h de ontem nas ruas e nos estandes da feira em busca de uma plantadeira para a propriedade de 500 hectares. Entre cores, marcas, e tamanhos dos equipamentos, o agricultor surpreendeu-se com as tecnologias.
    – Cada ano a gente vê uma evolução muito grande nas máquinas e equipamentos. Está até difícil de acompanhar a atualização destas modernidades a cada safra – diz Casarin.
    Depois de muitos passos, driblando a multidão que esteve no parque para passear ou fechar negócios, é chegada a hora de decidir pela melhor oferta.
    Para o futuro, espera investir em máquinas e equipamentos para potencializar o trabalho na propriedade. Este ânimo se deve ao bom rendimento da safra de soja e aos preços pagos pelo grão.

  • Lembrar de cobrar neste ano

    Em visita à Expodireto, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, garantiu que o desejo das indústrias de biodiesel de adicionar até 10% do combustível no diesel será pauta do governo federal este ano. A mistura atual é de 5%.
    – Para atender à solicitação das empresas, que pedem uma percentagem de 7% a 10% de biodiesel na mistura, precisamos saber se teremos matéria-prima – relata Pepe.
    Conforme o ministro, além de estudar a oferta de biodiesel, o governo avaliará se o aumento não afetará a produção de alimentos.

  • Joias de mel

    Pela primeira vez na Expodireto, Albino Mariano Gaitcoski (foto), 52 anos, veio de Frederico Westphalen para vender mel em Não-Me-Toque, a cerca de 175 quilômetros de distância. O sucesso de vendas na feira foi resultado de uma invenção curiosa: as joias de mel. As duas tiras do produto, uma do tamanho de um colar e outra no formato de pulseira, são a alegria das crianças que visitam a feira.

  • Produtores gaúchos recebem certificação

    A Agrofel obteve a primeira certificação Valore para soja e cereais de inverno. O programa criado pela Bayer CropScience foi implementado como piloto há um ano, atestando as boas práticas agrícolas de nove produtores nos municípios de Ijuí, Joia, Augusto Pestana e Bozano.

  • Reaproveitar e produzir

    Assim que entrar em operação, em alguns meses, a usina de biogás Be’er Tuviya, em Israel, reaproveitará os dejetos de 14 mil vacas, além de quase 15% dos resíduos de todas as fazendas de frango e laticínios do país. Todo o esterco será utilizado para gerar eletricidade, por meio de gás metano.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *