INFORME RURAL

  • Agência agrícola

    O forte DNA agrícola do Planalto Médio gaúcho será levado à Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI) pelo ex-prefeito de Passo Fundo Airton Dipp.
    Anunciado ontem pelo governador Tarso Genro como diretor de planejamento da agência, o engenheiro e político com trajetória no PDT terá pela frente o desafio de captar recursos para projetos de desenvolvimento socioeconômico e de infraestrutura.
    – O desenvolvimento é o carro-chefe do atual governo – disse Dipp, 62 anos, prefeito de Passo Fundo por três mandatos e deputado federal duas vezes.
    O esperado “sim” de Dipp foi dado oficialmente ao governador durante a abertura oficial da Expodireto, em Não-Me-Toque, diante de dezenas de representantes do agronegócio gaúcho.

  • Água por todo lado

    No instante da foto, a água vem do chafariz no parque da Expodireto Cotrijal. Mas a água abundante que caiu do céu nos últimos dias em Não-Me-Toque, no primeiro dia da feira, foi saudada no campo. Em época de colheita da soja, a muita chuva é tudo o que os produtores pedem a Deus, para ajudar a garantir uma safra recorde.
    Enquanto a Companhia Nacional do Abastecimento estima produção de 12,19 milhões de toneladas, projeções mais otimistas apostam em até 13 milhões de toneladas. As primeiras lavouras de soja colhidas, no Noroeste, nas Missões e no Norte, apresentaram produtividade de 45 sacas por hectare, aponta levantamento da Emater. Cerca de 70% da área cultivada ainda está em fase de formação dos grãos.

  • Semente para a vida

    Agricultores que circulam pela Expodireto têm um espaço para uma pausa de sete minutos. Em um contêiner reciclado, a Kuhn, empresa de máquinas agrícolas, promove uma sessão do filme A Vida no Grão, que mostra a importância do agronegócio para o desenvolvimento humano. Ao final, os espectadores recebem uma semente de guapuruvu.

  • Show de bola

    O baiano Fábio Teixeira da Silva, 29 anos, chamou a atenção dos visitantes da Expodireto, ontem, com suas habilidades futebolísticas. Saído da roça no interior da Bahia, Fábio foi para São Paulo tentar ganhar a vida equilibrando a bola. A ação no parque foi promovida pela empresa de máquinas agrícolas Marchesan, que tem um tatu como símbolo, assim como o mascote da Copa do Mundo no Brasil. Depois do aplausos, Fábio, em tom de brincadeira, pediu uma vaga na seleção de Felipão.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *