Indústrias elevam estimativas para embarques de soja

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) revisou para cima suas estimativas para as exportações de soja em grão do país produzida nas safras 2010/11, que está em fase final de comercialização, e 2011/12, cuja colheita começará a ganhar fôlego neste mês no Centro-Oeste.

As estatísticas da entidade levam em consideração o ano comercial das empresas de processamento – que começa em meses de fevereiro e termina em janeiro -, não o ano agrícola. Daí porque as estimativas para a última safra já colhida no Brasil, a 2010/11, aparecem em seus cálculos como 2011/12. Já a colheita desta safra agrícola (2011/12) alimentará o ano comercial 2012/13.

Para o ano comercial 2011/12, que termina no fim deste mês, a entidade passou a projetar os embarques em 33,2 milhões de toneladas, ante as 32,6 milhões previstas em 12 de dezembro e as 29,2 milhões da temporada anterior. Por causa desse ajuste, a associação passou a calcular os estoques finais do grão em 3,5 milhões de toneladas – abaixo das 4,1 milhões estimadas anteriormente, mas acima de 2010/11 (1,7 milhão).

Ampliar imagem

  

Em dezembro, informou a agência Reuters com base em dados da Secex, os embarques nacionais de soja em grão atingiram 1,5 milhão de toneladas, menos que em novembro (1,8 milhão) mas volume bem superior ao observado em dezembro de 2010, menor que 300 mil toneladas.

Para o ano comercial 2012/13, a Abiove elevou sua projeção para as exportações nacionais de soja em grão para 34 milhões de toneladas, em linha com os mais otimistas "players" do país, que consideram que os problemas provocados pelo fenômeno La Niña serão pequenos para a oleaginosa. No levantamento fechado em 12 de dezembro, a entidade sinalizava embarques de 33,5 milhões de toneladas. O volume previsto para 2011/12 (33,2 milhões) já é o maior da história, o que significa que em 2012/13 um novo recorde deverá ser batido.

Também nesse caso a correção da Abiove para o volume de exportações levou à redução da projeção para os estoques finais do grão. Como os estoques iniciais foram redimensionados para 3,5 milhões de toneladas e a estimativa da associação para a colheita da safra em curso seguiu em 74,6 milhões, ante as 74,3 milhões do ciclo passado, a previsão para os estoques finais no ano comercial 2012/13 encolheu de 4,7 milhões para 3,6 milhões.

As exportações brasileiras de soja em grão deverão render menos no ano civil 2012 do que no ano passado, conforme a Abiove. A entidade passou a calcular a receita dos embarques deste ano em US$ 14,6 bilhões – aproximadamente US$ 200 milhões a mais que o estimado no início de dezembro, mas 10% abaixo do resultado esperado no ano passado (US$ 16,3 bilhões).

Sustentadas sobretudo pela demanda da China, as exportações brasileiras de soja em grão, conforme os números apresentados, deverão registrar queda da ordem de 8% nos preços médios de venda. Em geral, analistas preveem alguma retração por causa dos reflexos da crise no mundo desenvolvido sobre o consumo mundial de alimentos, inclusive em países emergentes, e sobre as cotações das commodities.

Fonte:  Valor | Por Fernando Lopes | De São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.