Indústria veterinária brasileira tenta reverter veto a vermífugo

Diante de uma perda estimada de R$ 500 milhões por ano com a proibição das vendas da avermectinas de longa ação – vermífugos largamente utilizados na criação de bovinos no Brasil -, representantes da indústria veterinária brasileira se reúnem hoje com o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Rodrigo Figueiredo, para tentar reverter o veto.

O Valor apurou que se o diálogo não avançar a indústria já cogita entrar com uma ação na Justiça para anular a instrução normativa que proibiu na semana retrasada as avermectinas de longa ação.

De acordo com a Associação Brasileira dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac), a proibição das avermectinas da longa ação – que têm "atividade antiparasitária" superior a 42 dias – levará a um prejuízo de R$ 500 milhões por ano para o setor veterinário. Desse total, R$ 275 milhões se referem às vendas do vermífugo por empresas brasileiras, de acordo com a Alanac. Esse montante representa 30% do faturamento de R$ 950 milhões das empresas nacionais. Incluindo as multinacionais, o setor veterinário fatura mais de R$ 3 bilhões por ano no Brasil.

De acordo com a Alanac, a medida vai encarecer a produção pecuária, uma vez que os produtores de gado bovino terão de fazer mais aplicações de avermectina por ano. Os produtos de longa ação são aplicados, em média, duas vezes por ano, de acordo com Henrique Tada, presidente da Alanac.

A proibição das avermectinas de longa ação atendeu a um pleito dos frigoríficos brasileiros. O uso de avermectinas era um dos motivos de preocupação nas exportações de carne bovina enlatada para os Estados Unidos, país que chegou a embargar temporariamente em 2010 a carne bovina industrializada do Brasil devido à presença de traços de avermectina no produto.

Em março, os EUA voltaram a detectar traços do vermífugo em um lote de carne enlatada da JBS. Os EUA estão em processo de abertura de seu mercado de carne bovina in natura do Brasil.

Segundo o presidente da Alanac, o uso de avermectina na criação do gado bovino exige maior fiscalização e instrução do produtor rural, e não a proibição. "Foi adotada a forma mais radical para resolver uma situação que o governo alega. Isso não é um problema do produto. É preciso fazer um treinamento dos pecuaristas e uma fiscalização da aplicação desses produtos", disse.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3579274/industria-veterinaria-brasileira-tenta-reverter-veto-vermifugo#ixzz34EvP9F37

Fonte: Valor | Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *