Indústria não faz teste para detectar nível de ureia no leite, diz especialista

Substância presente na composição do produto era adicionada em fraude.
Responsável por laboratório da Univates explica como ela foi detectada.

Do G1 RS

Encontrada no leite adulterado no Rio Grande do Sul, a ureia não é uma substância facilmente identificada nos exames de controle de qualidade usados pela indústria de laticínios. Quem afirma é química Júlia Tischer, do laboratório da Univates, em Lajeado, onde foram feitas as análises que detectaram a fraude revelada pelo Ministério Público (MP) na última quarta-feira (8).

“A análise de ureia não é feita rotineiramente na indústria”, garante a responsável técnica pelo Laboratório do Leite da universidade, órgão credenciado pelo Ministério da Agricultura e pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) para análises.

De acordo com as investigações do MP, a adulteração ocorria entre a compra do leite cru na propriedade rural e o transporte para os postos de resfriamento. No meio do caminho, o produto era levado para galpões, onde era misturado a água e ureia – uma substância que contém formol, elemento químico considerado cancerígeno – para aumentar o volume.

Conforme Júlia, a ureia está presente normalmente na composição do leite. O tipo de exame que detecta a concentração dessa substância no produto é, na maioria das vezes, feito para determinar a dieta de cada animal, com a finalidade de melhorar a qualidade do leite produzido pelo rebanho.

“A gente faz esse exame nutricional do leite de cada animal para definir a dieta da alimentação do gado leiteiro. Não é um método simples, de bancada, que utilize materiais de laboratório. É necessária a aquisição de equipamentos específicos para codificar esse elemento (ureia). Por isso é muito difícil ser encontrado na indústria”, reforça Júlia.

A pedido do Ministério Público, o laboratório da Univates ficou encarregado de analisar a suspeita de adulteração no leite cru praticada por um grupo de transportadores autônomos. As amostras passaram por uma série de análises físico-químicas, que comprovaram a adição.

saiba mais

“A ureia está presente em no leite em teores normais de 10 até 16 miligramas por decilitro. E quando há teores muito acima isso é caraterístico de fraude. Nos ensaios identificou-se a presença de altos níveis de ureia e formol”, conta ela.

Segundo uma cooperativa de Santa Rosa, no Noroeste do estado, o leite cru passa por pelo menos dois tipos de testes antes de chegar ao local. O primeiro é feito pelo transportador, ainda na propriedade rural. O segundo é realizado quando o caminhão que transporta o leite chega na cooperativa. Se algo passar por essa fase, ainda pode ser constatado pela indústria, no recebimento do produto.

A veterinária do Laboratório de Inspeção do Leite da Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), Andreia Troller, diz que é importante realizar todos os tipos de testes disponíveis. Mas ela alerta que isso não significa que a presença de aditivos como a ureia seja percebida.

“Essa fraude por ureia é um pouco mais difícil de ser detectada, independentemente da quantidade que for adicionada. Não existe um teste rápido para identificar a presença da ureia”, afirma ela. “Eu acho que é um dos grandes entraves que a gente tem. A falta de testes rápidos que detectem quantidades baixas, infinitamente pequenas de adição de substâncias, e a questão toda relacionada ao tempo que é necessário para fazer essas análises”, acrescenta.

De acordo com o chefe da Divisão de Inspeção de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Clovis Serafini, o órgão pode adotar novos parâmetros em relação a quantidade de ureia encontrada nas amostras de leite para tentar detectar possíveis adulterações.

“A ureia é uma substância intrínseca do leite, fisiologicamente você encontra um teor de ureia no leite, inclusive esse teor pode variar muito. O ministério, junto com a academia, vai estudar um parâmetro para se chegar e a gente ter, a partir de tal limite, um indício de fraude”, diz Clovis.

No total, sete marcas de leite tiveram lotes recolhidos do mercado (veja a lista abaixo). Até o momento, nove pessoas foram presas, uma empresa de laticínios foi interditada e três postos de refrigeração foram fechados no Rio Grande do Sul. Duas pessoas foram liberadas após depoimento. O MP estima que 100 milhões de litros de leite tenham sido adulterados nos últimos 12 meses no estado.

Lista completa de lotes não recomendados para o consumo
Leite Líder – UHT Integral

SIF 4182 – Fabricação: 17/12/12
Lote: TAP 1 MB

Leite Italac – UHT Integral
Goiás Minas – SIF 1369
Fabricação: 30/10/12 – Lote: L05 KM3
Fabricação: 5/11/12 – Lote: L13 KM3
Fabricação: 7/11/12 – Lote: L18 KM3
Fabricação: 8/11/12 – Lote: L22 KM4
Fabricação: 9/11/12 – Lote: L23 KM1

Leite Italac – UHT semidesnatado
Goiás Minas – SIF 1369
Fabricação: 5/11/12 – Lote: L12 KM1

Leite Mu-Mu – UHT Integral
Vonpar – SIF 1792
Fabricação: 18/01/13
Lote: 3 ARC

Leite UHT Integral
VRS – CISPOA 036/661

Marcas: Hollmann, Goolac, Só Milk, Latvida
Lote: 103 – Fabricação: 1/4/2013
Lote: 184 – Fabricação: 3/4/2013
Lote: 189 – Fabricação: 4/4/2013
Lote 190 – Fabricação: 5/4/2013
Lote 196 – Fabricação: 9/4/2013
Lote 200 – Fabricação: 10/4/2013
Lote 201 – Fabricação: 19/4/2013
Lote 202 – Fabricação: 20/4/2013
Lote 204 – Fabricação: 21/4/2013
Lote 205 – Fabricação: 22/4/2013

Leite UHT Semidesnatado
VRS – CISPOA 048/661
Marca: Latvida

Lote 190 – Fabricação: 2/4/2013
Lote 193 – Fabricação: 5/4/2013
Lote 103 – Fabricação: 18/4/2013

Leite UHT Desnatado
VRS – CISPOA 037/661
Marca: Só Milk e Latvida

Lote 188 – Fabricação: 4/4/2013
Lote 198 – Fabricação: 10/4/2013
Lote 202 – Fabricação: 11/4/2013
Lote 104 – Fabricação: 15/4/2013
Leite produzido em 16/2/2013, com validade até 16/6/2013

O que disseram as empresas
Mu-Mu
Em nota, a empresa afirmou que "atende a todos os requisitos e protocolos de testes de matéria prima exigidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento". No texto constam outros esclarecimentos: "A investigação do Ministério Público está concentrada no transporte entre o produtor leiteiro e os postos de resfriamento, onde o produto fica armazenado antes da entrada em nossa fábrica. A empresa permanece à disposição do MP e MAPA, no que for solicitado". A Mu-Mu também informa aos consumidores que tenham produtos do lote citado ou que tenham dúvidas entrem em contato com o SAC, pelo número 0800 51 7542, de segunda a sexta, das 7h30 às 18h30 e, aos sábados, das 7h30 às 13h30.

Latvida
Em contato com o G1 por telefone, a empresa Latvida informou que está operando normalmente. Segundo a assessoria de comunicação, a ação é direcionada exclusivamente aos transportadores do leite no estado. Em relação a esse aspecto, a marca disse que "está sendo eficiente até o momento".  A Latvida ainda afirmou que o problema ocorreu no lote 196 do leite UHT desnatado e que todos os outros estão liberados para o consumo. "Estamos vendo essa ação do MP com naturalidade. Nossos laboratórios funcionam 24 horas por dia e temos um laboratório móvel que percorre as regiões dos 1,6 mil produtores que temos no estado", disse o assessor de comunicação da empresa, Paulo Pereira.
Italac
Em e-mail enviado no início da tarde, a Italac informou que "o problema foi pontual, ocorrido no Rio Grande do Sul, e aconteceu no transporte do leite cru, entre a fazenda e o laticínio, antes de ser industrializado". Ainda segundo a nota, "os lotes identificados com problema foram retirados do mercado e não se encontram mais à disposição do consumidor. Todo o leite Italac encontra-se em perfeitas condições de consumo com total segurança e qualidade".

Líder
A empresa diz ter retirado do mercado ainda em fevereiro deste ano o lote não recomendado para o consumo, "tão logo a companhia tomou conhecimento da possibilidade de existir um problema de qualidade". A nota diz que cinco transportadoras de leite cru foram descredenciadas e um dos postos de resfriamento no estado foi fechado "por causa da ação de fraudadores". "Além disso, a Líder faz dupla checagem, nos postos de resfriamento e na fábrica, e desde janeiro não detectou nenhuma adulteração no leite destinado à produção. O leite Líder disponível no mercado está apto, portanto, para ser consumido com segurança", diz a empresa.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *