Indefinição sobre o PSI preocupa as empresas de máquinas agrícolas

A falta de definição sobre as condições do Programa de Sustentação do Investimento (PSI, do BNDES), sobretudo em relação às taxas de juros que serão cobradas em 2014, poderá ter impacto negativo nas vendas internas de máquinas agrícolas no primeiro trimestre do ano, afirma Milton Rego, vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Por conta das indefinições, a expectativa é que as instituições financeiras interrompam já no fim deste mês a recebimento de novos contratos de financiamento via PSI, de acordo com Rego. O representante da Anfavea afirma que o governo está "sensível" a essa questão, mas que ainda não existe previsão para que as novas condições do programa sejam definidas.

Em agosto de 2012, a taxa de juros do PSI foi reduzida de 5,5% para 2,5%, condição que vigorou até o fim do ano passado. E, no início de dezembro, foram anunciadas as taxas para 2013: 3% no primeiro semestre e 3,5% no segundo.

Somadas à boa rentabilidade de algumas lavouras, como a soja, as taxas atrativas do programa governamental têm sido uma das "alavancas" para o grande crescimento das vendas domésticas de máquinas agrícolas neste ano, que vêm batendo recorde.

Nos primeiros dez meses deste ano, as vendas das indústrias para as revendas somaram 71.241 unidades, um crescimento de 21,7% em relação a igual intervalo de 2012 e número superior ao registrado em todo o ano passado (70,1 mil), conforme a Anfavea, que representa as principais companhias do segmento.

Assim, a meta da Anfavea de comercializar no país 83 mil unidades este ano poderá de fato ser alcançada, o que representará um recorde histórico. O melhor resultado registrado até agora foi em 1976, quando foram vendidas 80,2 mil máquinas no país, com "fortes" incentivos do governo.

Em outubro, porém, as vendas (7,315 mil unidades) recuaram 0,9% ante setembro, diante de problemas no acesso dos recursos nos bancos, afirma Rego. Além da greve das instituições financeiras, também havia dúvidas sobre se os recursos para o PSI seriam mantidos, o que provocou uma "posição mais conservadora dos bancos".

A produção de máquinas agrícolas até outubro somou 85,819 mil unidades e também passou o número de todo o ano passado (83,7 mil). A meta da Anfavea é chegar a 95 mil unidades em 2013. Se concretizada, também será um novo recorde. O melhor desempenho registrado foi em 2010, com a produção de 88,874 mil unidades.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3330684/indefinicao-sobre-o-psi-preocupa-empresas-de-maquinas-agricolas#ixzz2jxRtaVZJ

Fonte: Valor | Por Carine Ferreira | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *