illy espera manter ritmo de avanço no país

Silvia Costanti / Valor

Andrea Illy (esq) e Massimiliano Pogliani: expectativa de novo crescimento

Depois de registrar um crescimento de 14% na receita com as vendas de café no Brasil em 2017 – a despeito da recuperação lenta da economia -, a expectativa da italiana illycaffè é repetir o desempenho este ano no país. "Até agora, está tudo bem", disse ontem a jornalistas o CEO da empresa de café gourmet Massimiliano Pogliani, em referência aos negócios no Brasil.

No ano que passou, a italiana reforçou os negócios B2B e no e-commerce, ampliando em 18% os volumes de café vendido no país, que é seu principal fornecedor de matéria-prima. Segundo o executivo, que veio ao Brasil pela primeira vez como CEO da illycaffè, "a menos que haja alguma instabilidade em função de uma crise política", a performance de 2017 deve se repetir.

A empresa, que tem sede em Trieste, não divulga seus números por região de atuação no mundo e ainda não fechou os resultados globais do ano passado. Em 2016, destacou Pogliani, a receita consolidada da illy cresceu 6%, para € 460 milhões. Desse total, cerca de 40% foram vendas no mercado italiano e o restante no exterior – a empresa comercializa seus produtos em 140 países. Os Estados Unidos são o maior mercado fora da Itália, seguido por Europa, Ásia Pacífico, Brasil e América do Sul.

Pogliani veio ao país junto com controlador da empresa Andrea Illy, para o 27º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café. O concurso escolheu os três melhores cafés do país na safra 2017/18, que vão participar em Nova York do 3º Prêmio Ernesto Illy Internacional. Para Andrea Illy, "o prêmio [no Brasil] é importante dentro da estratégia de ser líder em qualidade".

No encontro com jornalistas, Andrea Illy disse que "graças ao prêmio, a empresa conseguiu criar um relacionamento direto com os cafeicultores". Hoje, o Clube illy, programa de fidelização dos fornecedores, tem cerca de 600 produtores no país. Esses cafeicultores recebem prêmios de, em média, 30% sobre o valor do produto no mercado doméstico, por entregarem um café no padrão de qualidade e sustentabilidade exigidos pela illy. E esse bônus pode ser maior a depender do comportamento dos preços no mercado, de acordo com Andrea Illy.

Atualmente, 50% do café que a illy utiliza em seu blend de arábica é originado no Brasil, sobretudo em Minas Gerais. O restante é fornecido por cafeicultores de outros 19 países produtores do grão, como os da América Central e África.

Diante da importância que o Brasil tem para seu negócio, a illy acompanha atentamente o desenvolvimento de cada safra de café do país. Para a temporada 2018/19, que já começou a ser colhida em algumas regiões brasileiras, as expectativas são positivas. "O Brasil deve ter uma safra muito boa, tanto em qualidade quanto em quantidade se não houver eventos inesperados", disse Massimiliano Pogliani.

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Fonte : Valor