IBGE dá partida ao cálculo do PIB verde

As Nações Unidas (ONU) acabam de aprovar uma padronização metodológica do sistema de cálculo dos recursos ambientais dos países, o chamado PIB verde. Isso vai permitir ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) dar partida à mensuração do patrimonio ambiental do Brasil, logo após a Rio+20. O objetivo do IBGE é integrar esse levantamento ao sistema de contas nacionais que mede o PIB econômico.

Da lista de riquezas naturais consta água, florestas, energia, extração mineral que inclui minérios e petróleo, dentre outras.

"Vamos começar com a conta da água, que vamos mensurar tanto em volume, quanto em valor, e calcular seu consumo pelas famílias, indústria e agropecuária", diz Wasmália Bivar, presidente do IBGE. A instituição foi autorizada por portaria ministerial do Planejamento e Meio Ambiente, publicada dia 30 de maio no DOU, a criar um grupo junto com a Agência Nacional da Água (ANA) para trabalhar na conta da água.

O IBGE ainda não tem data para divulgar os dados da pesquisa. O tema é um dos mais presentes na conferência da ONU. "O processo é demorado", explica Wasmália. Ela informa que a pesquisa levanta primeiro os estoques físicos de água e em seguida faz a sua valoração. Depois dessa contabilização, o IBGE vai começar a medir os usos desse capital. Para as atividades produtivas e de consumo o Brasil usa quanto de água?

"Quando fecharmos essa conta vamos saber (IBGE) quais as atividades que consomem mais ou menos água para produzir o quê, em quê volume e valor", adianta a presidente do IBGE. Segundo ela, a contabilidade desse patrimônio ambiental permitirá o IBGE avaliar se o país usa quantidades crescentes ou decrescentes de água em relação a produção de bens e serviços (PIB) e diagnosticar, com base em parâmetros de eficiência internacional, se desperdiça o precioso líquido.

"Vamos saber ao longo do tempo se o país está diminuindo ou aumentando o consumo de água em relação ao PIB econômico. O mesmo ocorrerá em relação aos outros patrimônios naturais. Assim, descobriremos como está sendo usado o patrimônio ambiental do país. Vamos com isso conseguir responder a muitas perguntas importantes", destaca Wasmália.

O diretor de Geociências do IBGE, Wadih Neto, ressalta outro aspecto relevante do PIB verde. O indicador pode ajudar na formulação de políticas. "Hoje já há regiões no Brasil onde água é um bem escasso, como no Vale do Paraíba. A conta verde vai facilitar escolha das atividades".

Roberto Olinto, coordenador das contas nacionais do IBGE, diz que "o PIB verde não existe se não calculamos o PIB econômico". Para ele, "não estamos mudando o PIB ou criando um outro, o PIB verde. Vamos complementar e aperfeiçoar o PIB". Na prática, o PIB verde (o IBGE não gosta da expressão) será divulgado todo ano pelo IBGE junto com o PIB econômico. E terá impacto sobre o seu resultado final.

Um grupo de estatísticos está no IBGE desde segunda-feira para debater a implementação do sistema de padronização internacional do PIB ambiental das Nações Unidas.

O programa faz parte da Rio+20. Lá estão Ivo Havinga, chefe da divisão de estatísticas da ONU, Peter van de Ven, chefe das contas nacionais da OCDE, Sheng Fulai, do Pnuma, Glenn-Marie Lange, economista chefe de desenvolvimento ambiental do Bird, e Pedro Diaz, da Eurostat.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/rio20/2711378/ibge-da-partida-ao-calculo-do-pib-verde#ixzz1xgMHCEk8

Fonte: Valor | Por Vera Saavedra Durão e Diogo Martins | Do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *