Heringer sinaliza trimestre fraco e ações recuam 17,24%

A administração da Fertilizantes Heringer conversou com analistas e sinalizou que seus resultados neste semestre serão fracos. Como consequência, Bank of America Merrill Lynch (BofA) e Itaú Corretora rebaixaram recomendações e previsões para lucro e Ebitda da companhia. Nos dois últimos pregões, as ações da empresa se desvalorizaram 17,24%. O giro do papel foi de R$ 5,1 milhões na terça e de R$ 8,7 milhões ontem – valores muito acima da média diária do ano, de R$ 858 mil. O valor de mercado da Heringer caiu R$ 121 milhões, para R$ 581,6 milhões. Procurada, a empresa não deu entrevista.

A analista Isabella Simonato, do BofA Merrill Lynch, rebaixou a recomendação para as ações de "compra" para "abaixo do desempenho do mercado". Reduziu, em 34%, a estimativa para o preço-alvo do papel, que passou de R$ 19,00 para R$ 12,50.

A avaliação de Giovana Araújo, da Itaú Corretora, para a ação saiu de "outperform" (desempenho acima da média de mercado) para "market perform" (em linha com a média de mercado). O preço justo foi reduzido em 22%, de R$ 20,90 para R$ 16,30.

Isabella, analista do banco americano, identifica uma deterioração nos resultados da empresa no curto prazo.

"Atrasos no início da temporada de plantio no Brasil e a alta dos estoques de fertilizantes no canal de distribuição provavelmente levaram à redução das margens do varejo no terceiro trimestre", diz o relatório.

O BofA cortou em 40%, para R$ 200 milhões, a sua estimativa para o lucro operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da empresa no ano. Para 2013, a expectativa para o Ebitda caiu de R$ 280 milhões para R$ 224 milhões. A analista acredita ainda que, neste ano, a empresa terá prejuízo e informa que as projeções foram revistas depois de conversas com a administração da Heringer.

Ao comentar seus resultados no segundo trimestre, a Heringer alertava para a alta nos estoques – em dias, eles atingiram a quantidade de 113 no segundo trimestre, ante 67 no mesmo intervalo de 2011. A alta foi relacionada a um maior volume e preço médio em reais em função da expectativa da demanda do segundo semestre. Os dias de contas a pagar fecharam em 209, superando os 147 do mesmo trimestre do ano anterior.

A analista observa ainda que o cenário de estoques em alta remete à situação enfrentada pela companhia no quarto trimestre de 2008, mas ela avalia que o fato não irá se repetir nas mesmas proporções. Naquela ocasião, a Heringer liquidou seus estoques, o que a deixou com uma margem Ebitda negativa de 14%. Giovana, da corretora brasileira, fez ajustes ainda maiores em suas projeções. O Ebitda estimado para o terceiro trimestre agora é 66% menor do que a projeção anterior – caiu de R$ 130 milhões para R$ 44 milhões. As estimativas para o lucro no período caiu 90% – de R$ 70 milhões para R$ 7 milhões.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2854716/heringer-sinaliza-trimestre-fraco-e-acoes-recuam-1724#ixzz28Kkyci6T

Fonte: Valor | Por Ana Paula Ragazzi | Do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *